quarta-feira, 5 de agosto de 2009

O poeta e os ladrões




Não se trata de ser marcelo novaes, poeta que admiro, se trata de ser do lado certo, do lado do bem. E aqui há o maniqueísmo sim, claro, límpido, sem possibilidade de escolha, pelo menos ao ser humano normal.
Um poeta contra ladrões.
Fico com o poeta, cuspo no outro lado, nos torpes, nos espúrios, nos sem solidariedade, nos sem colhão, nos basbaques ou babacas, como queiram, nos que temem o bem.
Esta imundície de gente eleita por gente que não será eleita, quando for outra a eleição.
Não, não é por ser Marcelo, não por ele ser poeta, não é isso. É por ele estar certo.

3 comentários:

Mirse disse...

Dois, Well!

Você e ele, Marcelo!
Os políticos são eleitos, por isso estão lá.

O poder corrompe.

Quem vota, quem vota nulo, quem não vota, todos ~contribuiem para formar a corja.

É assim que acontece, e cabe a nós, nos defendermos.

O caminho indicado no título: "UMA FACA, UMA SÓ LÂMINA"

ZAS!

beijos

Mirse

Marcelo Novaes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Marcelo Novaes disse...

Wellington,




Valeu o apoio!




Mais gente falando, vendo, mostrando que vê, se expondo, e mudará o lado dos que se sentirão intimidados. Veja o perfil dos dez senadores do governo escolhidos para o conselho de ética: suplentes e com a ficha suja, com processos em trâmite. Esses não estarão participando de eleições e ganharão cargos de nomeação (como suplência) caso se comportem como quer a base do Governo. Algué abrirá a boca?! O negócio de dizer que todos têm telhado de vidro, só joga areia nos olhos de quem não sabe dimensionar ilicitudes e graus. Uma coisa é ter dois cheques devolvidos e pagá-los. Outra coisa é ter um neto nomeado em um dos gabinetes de outro parlamentar. Outra coisa são as passagens aéreas do Deputado Fernando Gabeira. Agora: empresas de fachada, notas frias, laranjas administrando bens adqiridos por desvio de verba, faturamento ilícito, superfaturamento em obras e conchavos, são coisas distintas. Aquela Casa do senado favorece benesses e distribui benesses. Todos já gozaram de alguma dessas benesses, ok?! Por exemplo: um auxílio moradia já tendo residência na própria cidade. Errado, claro. Mas trata-se um erro institucional que precisa ser corrigido. Isso é benesse indevida. Agora, interferências em licitações, desvio de dinheiro em Fundações ou empresas frias, nota fria de venda de gado superfaturado (Renan Calheiros), o horror que foi a ladroeira do Collor, o número de atos secretos quando o presidente da Casa era o próprio Reanan Calheiros (além do Sarney e outros tantos), veto a CPIs que aprovariam investigações no Denit, Estradas Federais, Petrobrás, temos de ver os que querem e os que não querem tais fiscalizações. Então, as regras têm que mudar PRA TODOS, mas dentre os que lá estão, não se pode equiparar uma Marina Lima (por que foi afastada por Lula?), um Cristovam Buarque, a ex-senadora Heloísa Helena (por que saiu do PT?) e uma duas dezenas deles (Renato Casagrande, Magno Malta, etc e tal) com Renan, Sarney, Collor e velhos oportunistas consagrados. Então, penso que teríamos duas coisas a fazer, em duas etapas: separar os "não-anjos" das "aves de rapina" (não adianta jogar Simon e Collor no mesmo balaio, porque não estão), num primeiro momento. Em segundo lugar, aproveitar o momento para uma reflexão (e pressão) da imprensa e opinião pública para mudanças de regras nas regras da casa. É isso. Sanear pessoas (daí eu falar em "catabólitos") e, no caso de muitas, alijá-las de lá , porque corrompidas e corruptoras além das benesses que a própria Casa oferece.Em segundo lugar: sanear o regimento interno da própria instituição. Menos aves de rapina e mais decoro, de fato.





Essa minha opinião, resumidamente.





Abração, Wellington.











Marcelo.