domingo, 18 de abril de 2010

JOÃO CABRAL DE MELO NETO PARA EMOCIONAR UMA ROSE

JOÃO CABRAL AMAVA RECIFE, ESPANHA, E POESIA. EU AMO RECIFE, POESIA, MULHERES QUE FALAM ESPANHOL, MAS SENDO ELA, COM CHARME DELA, COM FOGO DELA, CARNE TODA EM CARNE VIVA.




Dir-se-ia, quando aparece

dançando por siguiriyas,

que com a imagem do fogo

inteira se identifica.


Todos os gestos do fogo

que então possui dir-se-ia:

gestos das folhas do fogo,

de seu cabelo, sua língua;

gestos do corpo do fogo,

de sua carne em agonia,

carne de fogo, só nervos,

carne toda em carne viva.




Então, o caráter do fogo

nela também se adivinha:

mesmo gosto dos extremos,

de natureza faminta,

gosto de chegar ao fim

do que dele se aproxima,

gosto de chegar-se ao fim,

de atingir a própria cinza.




Porém a imagem do fogo

é num ponto desmentida:

que o fogo não é capaz

como ela é, nas siguiriyas,

de arrancar-se de si mesmo

numa primeira faísca,

nessa que, quando ela quer,

vem e acende-a fibra a fibra,

que somente ela é capaz

de acender-se estando fria,

de incendiar-se com nada,

de incendiar-se sozinha.




Subida ao dorso da dança

(vai carregada ou a carrega?)

é impossível se dizer

se é a cavaleira ou a égua.




Ela tem na sua dança

toda a energia retesa

e todo o nervo de quando

algum cavalo se encrespa.




Isto é: tanto a tensão

de quem vai montado em sela,

de quem monta um animal

e só a custo o debela,

como a tensão do animal

dominado sob a rédea,

que ressente ser mandado

e obedecendo protesta.




Então, como declarar

se ela é égua ou cavaleira:

há uma tal conformidade

entre o que é animal e é ela,

entre a parte que domina

e a parte que se rebela,

entre o que nela cavalga

e o que é cavalgado nela,

que o melhor será dizer

de ambas, cavaleira e égua,

que são de uma mesma coisa

e que um só nervo as inerva,

e que é impossível traçar

nenhuma linha fronteira

entre ela e a montaria:

ela é a égua e a cavaleira.




Quando está taconeando

a cabeça, atenta, inclina,

como se buscasse ouvir

alguma voz indistinta.




Há nessa atenção curvada

muito de telegrafista,

atento para não perder

a mensagem transmitida.




Mas o que faz duvidar

possa ser telegrafia

aquelas respostas que

suas pernas pronunciam

é que a mensagem de quem

lá do outro lado da linha

ela responde tão séria

nos passa despercebida.




Mas depois já não há dúvida:

é mesmo telegrafia:

mesmo que não se perceba

a mensagem recebida,

se vem de um ponto no fundo

do tablado ou de sua vida,

se a linguagem do diálogo

é em código ou ostensiva,

já não cabe duvidar:

deve ser telegrafia:

basta escutar a dicção

tão morse e tão desflorida,

linear, numa só corda,

em ponto e traço, concisa,

a dicção em preto e branco




Ela não pisa na terra

como quem a propicia

para que lhe seja leve

quando se enterre, num dia.




Ela a trata com a dura

e muscular energia

do camponês que cavando

sabe que a terra amacia.




Do camponês de quem tem

sotaque andaluz caipira

e o tornozelo robusto

que mais se planta que pisa.




Assim, em vez dessa ave

assexuada e mofina,

coisa a que parece sempre

aspirar a bailarina,

esta se quer uma árvore

firme na terra, nativa,

que não quer negar a terra

nem, como ave, fugi-la.




Árvore que estima a terra

de que se sabe família

e por isso trata a terra

com tanta dureza íntima.




Mais: que ao se saber da terra

não só na terra se afinca

pelos troncos dessas pernas

fortes, terrenas, maciças,

mas se orgulha de ser terra

e dela se reafirma,

batendo-a enquanto dança,

para vencer quem duvida.




Sua dança sempre acaba

igual como começa,

tal esses livros de iguais

coberta e contra-coberta:

com a mesma posição

como que talhada em pedra:

um momento está estátua,

desafiante, à espera.



Mas se essas duas estátuas

mesma atitude observam,

aquilo que desafiam

parece coisas diversas.




A primeira das estátuas

que ela é, quando começa,

parece desafiar

alguma presença interna

que no fundo dela própria,

fluindo, informe e sem regra,

por sua vez a desafia

a ver quem é que a modela.




Enquanto a estátua final,

por igual que ela pareça,

que ela é, quando um estilo

já impôs à íntima presa,

parece mais desafio

a quem está na assistência,

como para indagar quem

a mesma façanha tenta.




O livro de sua dança

capas iguais o encerram:

com a figura desafiante

de suas estátuas acesas.




Na sua dança se assiste

como ao processo da espiga:

verde, envolvida de palha;

madura, quase despida.




Parece que sua dança

ao ser dançada, à medida

que avança, a vai despojando

da folhagem que a vestia.




Não só da vegetação

de que ela dança vestida

(saias folhudas e crespas

do que no Brasil é chita)

mas também dessa outra flora

a que seus braços dão vida,

densa floresta de gestos

a que dão vida a agonia.




Na verdade, embora tudo

aquilo que ela leva em cima,

embora, de fato, sempre,

continui nela a vesti-la,

parece que vai perdendo

a opacidade que tinha

e, como a palha que seca,

vai aos poucos entreabrindo-a.




Ou então é que essa folhagem

vai ficando impercebida:

porque terminada a dança

embora a roupa persista,

a imagem que a memória

conservará em sua vista

é a espiga, nua e espigada,

rompente e esbelta, em espiga.

domingo, 4 de abril de 2010

AUTÓGRAFO

ELE NA NOITE RIA,
RIA ADENTRO NOITE.
UM RISO OUTRO, UM RISO
QUE DIR-SE-IA ESCÁRNIO,
QUE SE PARECIA UM RISO
EXTERNO, PRA SER VISTO.

ELE TINHA CONSIGO QUE ALGO LHE FORA REVELADO,
LOGO ELE, E O MAIS ESTRAVAGANTE: A ELE.

E FOI JUSTO NA NOITE, ONDE ELE SE TRANSFORMA,
ONDE ELE DEIXA DE SER HOMEM E É POETA,
ONDE CHORA PORQUE O CHORO É O DESDOBRAMENTO DA
COISA QUE ELE NÃO PODE DIZER O QUANTO É.

E NÃO DIZIA PORQUE NÃO CONHECIA AS PALAVRAS QUE DESCREVEM,
OU QUE ENCERRAM O ÚLTIMO PONTO DE VISTA.

ME IMPRESSIONO COM ELE SEMPRE QUE O LEMBRO, SEMPRE QUE O VEJO,
SUA ROTUNDA FIGURA, CUJA EXUBERÂNCIA NÃO VEM DE SUA CARNE APENAS, VEM
DE UM HOMEM-CRIANÇA, MAS CHEIO DE SENTIMENTO. SIM, TIVE VERGONHA DISSO, DELE
SER MAIS POETA QUE OS POETAS TODOS, MAIS POETA QUE OS POETAS DOS QUAIS SE OS VISSE(ESTÃO TODOS MORTOS) EU PEDIRIA UM AUTÓGRAFO, UM ADMIRARIA EXTERNAMENTE, E FICO TRISTE COMIGO, E FICO TRISTE COM TODOS, PORQUE NÃO PEDI UM AUTÓGRAFO A ELE, PORQUE TENHO VERGONHA DE ADMIRAR UM SER, UM GESTO, UM SORRISO, POR SÓ PODER ADMIRAR A PALAVRA ESCRITA DOS POETAS, NUNCA A POESIA ESCRITA EM CARNE VIVA.

quinta-feira, 1 de abril de 2010

ARTIGO DE FHC, QUE A\CEITOU UM DEBATE COM LULA PARA COMPARAR OS GOVERNOS. LULA NÃO TOPOU.

SEM MEDO DO PASSADO

Fernando Henrique Cardoso

O presidente Lula passa por momentos de euforia que o levam a inventar inimigos e enunciar inverdades. Para ganhar sua guerra imaginária, distorce o ocorrido no governo do antecessor, autoglorifica-se na comparação e sugere que se a oposição ganhar será o caos. Por trás dessas bravatas está o personalismo e o fantasma da intolerância: só eu e os meus somos capazes de tanta glória. Houve quem dissesse “o Estado sou eu”. Lula dirá, o Brasil sou eu! Ecos de um autoritarismo mais chegado à direita.

Lamento que Lula se deixe contaminar por impulsos tão toscos e perigosos. Ele possui méritos de sobra para defender a candidatura que queira. Deu passos adiante no que fora plantado por seus antecessores. Para que, então, baixar o nível da política à dissimulação e à mentira?

A estratégia do petismo-lulista é simples: desconstruir o inimigo principal, o PSDB e FHC (muita honra para um pobre marquês…). Por que seríamos o inimigo principal? Porque podemos ganhar as eleições. Como desconstruir o inimigo? Negando o que de bom foi feito e apossando-se de tudo que dele herdaram como se deles sempre tivesse sido. Onde está a política mais consciente e benéfica para todos? No ralo.

Na campanha haverá um mote – o governo do PSDB foi “neoliberal” – e dois alvos principais: a privatização das estatais e a suposta inação na área social. Os dados dizem outra coisa. Mas os dados, ora os dados… O que conta é repetir a versão conveniente. Há três semanas Lula disse que recebeu um governo estagnado, sem plano de desenvolvimento. Esqueceu-se da estabilidade da moeda, da lei de responsabilidade fiscal, da recuperação do BNDES, da modernização da Petrobras, que triplicou a produção depois do fim do monopólio e, premida pela competição e beneficiada pela flexibilidade, chegou à descoberta do pré-sal. Esqueceu-se do fortalecimento do Banco do Brasil, capitalizado com mais de R$ 6 bilhões e, junto com a Caixa Econômica, libertados da politicagem e recuperados para a execução de políticas de Estado.

Esqueceu-se dos investimentos do programa Avança Brasil, que, com menos alarde e mais eficiência que o PAC, permitiu concluir um número maior de obras essenciais ao país. Esqueceu-se dos ganhos que a privatização do sistema Telebrás trouxe para o povo brasileiro, com a democratização do acesso à internet e aos celulares, do fato de que a Vale privatizada paga mais impostos ao governo do que este jamais recebeu em dividendos quando a empresa era estatal, de que a Embraer, hoje orgulho nacional, só pôde dar o salto que deu depois de privatizada, de que essas empresas continuam em mãos brasileiras, gerando empregos e desenvolvimento no país.

Esqueceu-se de que o país pagou um custo alto por anos de “bravata” do PT e dele próprio. Esqueceu-se de sua responsabilidade e de seu partido pelo temor que tomou conta dos mercados em 2002, quando fomos obrigados a pedir socorro ao FMI – com aval de Lula, diga-se – para que houvesse um colchão de reservas no início do governo seguinte. Esqueceu-se de que foi esse temor que atiçou a inflação e levou seu governo a elevar o superávit primário e os juros às nuvens em 2003, para comprar a confiança dos mercados, mesmo que à custa de tudo que haviam pregado, ele e seu partido, nos anos anteriores.

Os exemplos são inúmeros para desmontar o espantalho petista sobre o suposto “neoliberalismo” peessedebista. Alguns vêm do próprio campo petista. Vejam o que disse o atual presidente do partido, José Eduardo Dutra, ex-presidente da Petrobras, citado por Adriano Pires, no Brasil Econômico de 13/1/2010. “Se eu voltar ao parlamento e tiver uma emenda propondo a situação anterior (monopólio), voto contra. Quando foi quebrado o monopólio, a Petrobras produzia 600 mil barris por dia e tinha 6 milhões de barris de reservas. Dez anos depois, produz 1,8 milhão por dia, tem reservas de 13 bilhões. Venceu a realidade, que muitas vezes é bem diferente da idealização que a gente faz dela”.

O outro alvo da distorção petista refere-se à insensibilidade social de quem só se preocuparia com a economia. Os fatos são diferentes: com o Real, a população pobre diminuiu de 35% para 28% do total. A pobreza continuou caindo, com alguma oscilação, até atingir 18% em 2007, fruto do efeito acumulado de políticas sociais e econômicas, entre elas o aumento do salário mínimo. De 1995 a 2002, houve um aumento real de 47,4%; de 2003 a 2009, de 49,5%. O rendimento médio mensal dos trabalhadores, descontada a inflação, não cresceu espetacularmente no período, salvo entre 1993 e 1997, quando saltou de R$ 800 para aproximadamente R$ 1.200. Hoje se encontra abaixo do nível alcançado nos anos iniciais do Plano Real.

Por fim, os programas de transferência direta de renda (hoje Bolsa-Família), vendidos como uma exclusividade deste governo. Na verdade, eles começaram em um município (Campinas) e no Distrito Federal, estenderam-se para Estados (Goiás) e ganharam abrangência nacional em meu governo. O Bolsa-Escola atingiu cerca de 5 milhões de famílias, às quais o governo atual juntou outras 6 milhões, já com o nome de Bolsa-Família, englobando em uma só bolsa os programas anteriores.

É mentira, portanto, dizer que o PSDB “não olhou para o social”. Não apenas olhou como fez e fez muito nessa área: o SUS saiu do papel à realidade; o programa da aids tornou-se referência mundial; viabilizamos os medicamentos genéricos, sem temor às multinacionais; as equipes de Saúde da Família, pouco mais de 300 em 1994, tornaram-se mais de 16 mil em 2002; o programa “Toda Criança na Escola” trouxe para o Ensino Fundamental quase 100% das crianças de sete a 14 anos. Foi também no governo do PSDB que se pôs em prática a política que assiste hoje a mais de 3 milhões de idosos e deficientes (em 1996, eram apenas 300 mil).

Eleições não se ganham com o retrovisor. O eleitor vota em quem confia e lhe abre um horizonte de esperanças. Mas se o lulismo quiser comparar, sem mentir e sem descontextualizar, a briga é boa. Nada a temer.

terça-feira, 30 de março de 2010

JOSÉ SERRA, COMPETENTE E BONITO.

Quando eu meter o pau no lula, sim, tentarei fazer com que meu blog esteja à serviço de Serra, o que prejudicará a popularidade do lula. Estou convencido de que meu blog é o mais popular e influente da net. Não sou cabotino (essa é o tipo de palavra que se usa para mostrar que se tem um vocabulário melhor que o lula, mas “pedante” me soa mais “cabotino” que o própio “cabotino”, e “metido” me pareceu vulgar e meio pederasta) mas toda vez que esculhambo lula, e sempre o faço de coração, sai um pesquisa informando que ele bateu recorde de popularidade. Aliás, a popularidade dele é algo intrigante, diria, se místico fosse, que é paranormal. Se você pegar um papel e sair por aí perguntando coisas que se sabem que a maioria gosta, de indiscutível popularidade, vai perceber que o nosso presidente tem uma popularidade anormal.
Exagero? Experimente, pegue um papel e pergunte a 5 mil pessoas se Ana Paula Arósio é bonita, se pelé foi melhor que Túlio maravilha, se Michael Jackson sabia dançar, ou se Eika batista tem dinheiro. Claro que a maioria diria o esperado, mas sempre aparece um desinformado, ou doido, ou veado, ou tudo junto, e destoa dos outros. A impressão que tenho é que os bebês nascidos ontem já nascem apreciando o sapo barbudo.
É claro que o fato de o Brasil ser uma nação de cretinos, ajuda muito. Mas sempre foi assim, e não eram tão populares os outros. E é mais percepitível ainda que não é só quem vota em lula que pode ser considerado cretino, porque se fossem os imbecis apenas 80% da nossa população seria nossa glória.
Eu me incluo nos imbecis que não votam nele. Voto no Serra. E já criei um slogam genial para a campanha dele, que atesta minha capacidade na área de propaganda. Ora, temos contra nós a imensa popularidade de lula, então teremos que adotar um diferencial, uma coisa que faça ver aos eleitores que Serra manterá a esmola e terá um adicional. O slogan é:

JOSÉ SERRA, COMPETENTE E BONITO!


A frase do Nelson é genial, toda unânimidade é burra mesmo, mas a questão é saber se existe unânimidade. Quem pode ser considerado isso?
Lula, esse pode. Reinaldo Azevedo, que não é fâ do barbudo, disse que quando o filme sobre ele (uma palhaçada que fará dele um novo padre Cícero Romão) ele terá 115% de aprovação. Se você fala mal dele, se ousa isso, você é de direita, ou lê a “veja”, ou é americanófilo, ou safado, ou tudo que desabone o sujeito que discorda de um cara que estava(está) a frente de um governo corrupto, inepto, que está inchando o estado brasileiro, que compromete o futuro do Brasil com um assistêncialismo torpe e sem fim, sim, porque nenhum presidente terá coragem de cortar essa esmola viciante que é o bolsa família, criado por FHC, mas que serviu como compra de voto para o governo de lula.
Mas há uma coisa que vou dizer que me arrepiou ao me vir à mente agora, sobre ele, sobre o barbudo, sobre o presidente Lula, sem o PT, sem os “amigos” dele, e que eu soube (quem diria?!) lendo a “veja”,embora o jornalista fosse irônico ao relatar o fato. Digo fato porque fato é. Quando Roberto Jeferson entregou os mensaleiros todos, e estava puto com lula por ele ter lhe abandonado, segundo ele, disse uma coisa sobre o barbudo que me fez querer ter vontade de estar naquela hora, naquele gabinete, disse que quando Lula foi informado das falcatruas de sua “tchurmaaaaaaaaaaa”, e de envolvimento de amigos próximos, chorou. Se foi verdade eu não sei, mas não vejo por qual razão não seria, uma vez que quem relatou isso, foi um cara que denunciou uma coisa, e o fez consciente, que poderia causar o fim de um governo e de um presidente, sobretudo de um homem.
O fato é que cada vez que olho para Lula, cada vez mesmo, vejo a pequenez do ser humano, e isso não é ofensivo a ele, de modo algum, é apenas a constatação de que o homem fracassou, e fim de papo. Porque ele é grandioso quando se preocupa com os fodidos do nordeste, e ele se preocupa mesmo, e pequeno quando quer todo para si o mérito que é seu em minoria. Quão longe do grande homem é o homem! Pode chorar por um princípio nobre, pode querer para si o que não lhe pertence. Lula não é o que eu digo, não é o cão. Menos ainda o que os que o amam acham ser ele. Lula é um ser humano, com grandezas e deficiências, que erra e acerta, não estudou em Paris, nem faz o governo que acham, os que o idolatram, ser de esquerda. Lula é um cara que aderiu ao sistema e tentou ajudar o pobre sem dente, o operário, o severino retirante. Se conseguiu não sei, mas tentou. E creio que foi sincero na tentativa. E isso vale um abraço companheiro, isso vale um abraço companheiro, dentro do meu coração.

SERRA PRESIDENTE 2010!

segunda-feira, 29 de março de 2010

TE AMO, BUCHUDINHA.

A BUCHUDINHA É RUIM, A BUCHUDINHA É CHATA, DISSE QUE EU PRECISO APRENDER A SER GENTE, NÃO QUER DEIXAR EU CONSERTAR O COMPUTADOR DELA, ME CULPA DE COISAS QUE EU NÃO TENHO A MENOR CULPA, ME CHAMA DE LOUCO, DE CANALHA, DE TUDO QUE SE DIZ DE QUEM NÃO SE GOSTA, OU DE QUEM SE ODEIA, ESCULHACHA MESMO. E SE NÃO FOSSE A MINHA ARROGÂNCIA, MINHA DISFAÇATEZ, MEU CINISMO, EU FICARIA COM RAIVA DELA. MAS NÃO FICO, NÃO TEM COMO, IMPOSSÍVEL, TÁ OUVINDO, BUCHUDINHA FEIA, NÃO FICO COM RAIVA DE VOCÊ, ME XINGUE DO QUE QUEIRA, POIS SEU ESTADO PERMITE, MAS QUANDO TEU BEBÊ NASCER AI TE XINGO, DESCONTO O TEMPO PERDIDO. E VOCÊ SEMPRE ME PERDOARÁ, SEMPRE ME TERÁ AMOR, SEMPRE, SOU SUA CRUZ. NÃO ME VENHA DIZER QUE AGORA TEM COM QUEM SE PREOCUPAR, POIS SOU TEU FILHO TAMBÉM, VOCÊ REZA POR MIM, SEMPRE VAI REZAR.
BUCHUDINHA, SOU O TEU MELHOR AMIGO, VOCÊ SABE. VOCÊ DIZ QUE SOU BURRO, QUE PARA VOCÊ NÃO PASSO DE UM IDIOTA METIDO A SABIDO, EU ME ACHO UM GÊNIO, MAS NÃO PELOS MOTIVOS QUE ALGUÉM SE DIZ GÊNIO, OU SE DIZ DE ALGUÉM ISSO. SOU UM GÊNIO! ISSO É O QUE SOU. NÃO NA ACEPÇÃO QUE O DICIONÁRIO REGISTRA, ISSO NÃO, INFELIZMENTE. NUNCA FUI MAIS QUE MEDIANO, OU MENOS QUE ISSO. MAS QUANDO VOCÊ DIZ QUE INTELIGÊNCIA É SABER O CAMINHO DO CERTO, DO BEM, É ACEITAR JESUS COMO SALVADOR, É ANDAR EM LINHA RETA PARA O BEM. PENSO QUE FAÇO ISSO. É VERDADE, JURO! A MINHA MANEIRA, DEVAGAR, LENTAMENTE.
BUCHUDINHA LINDA, A MAIS LINDA DO MUNDO! SABE PORQUE TE AMO?
PORQUE VOCÊ NÃO DEIXOU EU CONSERTAR A CPU E ME CHAMA DE INCOMPENTE, E DE COISAS QUE EU NÃO PERMITIRIA A MEU PAI DIZER QUE SOU, MAS ME MANDOU COMIDA ONTEM, SE PREOCUPA COMIGO, SE ALMOÇEI, SE COMI DIREITO. VOCÊ SABE QUE ME AMA, QUE SOU TEU FILHO MAIS VELHO, E ATÉ MAIS VELHO QUE VOCÊ. COMO PODE UM FILHO SER MAIS VELHO QUE A MÃE? NÃO SEI, PERGUNTE A DEUS, FOI ELE QUE NOS FEZ AMIGOS, QUE FEZ UMA AMIZADE BRIGUENTA, IMPLICANTE, MAS LINDA.
MAS ESCUTE SÓ, COMA MENOS, E NÃO FIQUE SE PREOCUPANDO COMIGO, PORQUE FICAREI BEM, SEMPRE, ONDE EU ESTIVER. E ONDE EU ESTIVER, COM QUEM SEJA, COMO ESTEJA, LEMBRAREI DE VOCÊ, TEREI PAZ, SENTIREI ORGULHO DE TER PASSADO O TEMPO, VOCÊ TER ME VISTO COMO SOU, SEM MÁSCARAS E ILUSÕES, E AINDA ASSIM SE PREOCUPAR COM MEU CORAÇÃO, NÃO SE ESTÁ AMANDO, MAS SE TEM GORDURA.


FICA O POETA, FICA PAULINHO DA VIOLA, FICA O DITO: "SE LÁGRIMA FOSSE DE PEDRA, EU CHORARIA"





FICA O DITO DE OUTRO GRANDE POETA, QUE DISSE SER A AMIZADE SUPERIOR AO AMOR.
E FICO O MEU DITO, COM MENOS BRILHO, COM MENOS TALENTO, MAS COM O MESMO AMOR:

DOS AMORES AMADOS DE VERDADE, NÃO FINGIDOS, NEM SIMULADOS, NAS AMIZADES MAIS SINCERAS, NAS PREOCUPAÇÕES COM O BEM ESTAR DO OUTRO, QUE FAZ UMA AMIZADE SER LEAL, NÃO SIMULACRO DE AMIZADE, NÃO VAIDADE EM QUE ALGUÉM GOSTE DE NÓS, SEM PREOCUPAÇÃO COM O OUTRO, ENFIM DENTRE OS DE FATO AMIGOS, E OS DE FATO QUE SE GOSTAM, SOMOS AINDA DESTAQUES, SOMOS AINDA AMOR.

TE AMO BUCHUDINHA LINDA.

PARA ELAINE.

sábado, 27 de março de 2010

VILANOVA É FODA!

O BRASIL NÃO ACABOU!

O BRASIL NÃO ACABOU!
SERRA ESTÁ 9 PONTOS À FRENTE DE DILMA!
TEREMOS UM GOVERNO QUE NÃO ADMIRE DITADORES, NEM SEJA COMPOSTO DE LADRÕES DESCARADOS, QUE ROUBAM E CULPAM A "VEJA" AO INVÉS DE SE MOSTRAREM INOCENTES NO QUE SÃO ACUSADOS.
MAS O BOM É QUE NÃO TEREMOS DE SUPORTAR UM NOVO LULA, COM FRASES IDOTAS A TODA HORA.
O QUE FEZ DILMA CAIR?
ELA MESMA.
QUANDO ABRIU A BOCA PARA DIZER AS BOBAGENS QUE LULA DIZ, E NÃO TEM A POPULARIDADE DO BARBUDO, DANÇOU. A ELEIÇÃO ACABOU! CHEGA DESSA GENTE.

quarta-feira, 24 de março de 2010

O VELHO CANTOR ABRE A V OZ E O TEMPO CANTA





SOU CARIOCA, GOSTO DO MEU PAÍS, EMBORA O TENHA COMO ELE É, UM PAÍS DE POLÍTICOS CANALHAS E ILUSIONISTAS. OUVIR GONZAGA ABOIANDO ME FAZ AMAR O NORDESTE MAIS FORTE, COM MAIS INTENSIDADE.

segunda-feira, 22 de março de 2010

E AGORA?

Brilhar para sempre,
brilhar como um farol,
brilhar com brilho eterno,
gente é para brilhar,
que tudo mais vá para o inferno,
este é o meu slogan
e o do sol.

Vladimir Maiakóvski

quarta-feira, 17 de março de 2010

PARA MOACY CIRNE

LULA X FHC

QUEM CONTROLOU UMA INFLAÇÃO QUE NINGUÉM CONTROLAVA?
QUEM MODERNIZOU O ESTADO?
QUEM FOMENTOU O DESENVOLVIMENTO QUE HOJE ESTÁ AI?
QUEM CRIOU A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL?
QUEM PERMITIU O ACESSO DO POVÃO AS COMPUTADORES E CELULARES?
QUEM CRIOU UM ORÇAMENTO (ORÇAMENTO DE FATO)?
QUEM COLOCOU O BRASIL NO MERCADO?


F H C


TODOS OS QUE CRITICAM O EX PRESIDENTE, E SÃO TODOS, DEVERIAM FECHAR O RABO, CALAR A BOCA, ENTUPIR-SE, OU EXPLICAR O PORQUE DE O PLANO REAL (QUE LULA FOI CONTRA, E SEM O QUAL NÃO TERIA FEITO NADA DO QUE FEZ) TER SIDO O ÚNICO A DAR CERTO, O ÚNICO A DEBELAR A INFLAÇÃO, O ÚNICO QUE DEU CERTO, CONTRA TODOS OS PROGNÓSTICOS PETISTAS.

COM INFLAÇÃO, LULA NÃO SERIA NADA, NADA, NADA, RIGOROSAMENTE NADA. SEM ELA, CONTROLADA POR FHC, O MALVADO, SERIA SÓ O QUE SEMPRE FOI, UM APEDEUTA EM UM PAÍS DE NÉSCIOS. É MUITO FÁCIL FAZER CRESCER TENDO HERDADO UM PAÍS GOVERNADO POR OITO ANOS POR UM GIGANTE, COM UMA POLÍTICA ECONÔMICA FEITA E CONTINUADA, DIFÍCIL É PEGAR O PAÍS COM 12.500% AO ANO DE INFLAÇÃO( DOZE MIL E QUINHENTOS MESMO)SEM ORÇAMENTO, COM PREFEITURAS GASTANDO O QUE NÃO TINHAM, COM EMPRESAS ESTATAIS INCOMPETENTES, COM UM ESTADO ARCAICO, COM A MERDA QUE FHC PEGOU, E AINDA GOVERNAR COM UMA OPOSIÇÃO CALHORDA COMO A DE LULA.

QUEM CONTROLOU A INFLAÇÃO?

HOJE PARECE FÁCIL, HOJE PARECE POUCO, MAS NÃO SOU IDIOTA, TENHO MEMÓRIA, QUANDO O FHC CONTROLOU A INFLAÇÃO TODOS ACHAVAM QUE NÃO TINHA MAIS JEITO, LULA PREGAVA O CALOTE NO FMI (AGORA SE GABA DE TER PAGO O FUNDO) LULA TEM 80% DE APROVAÇÃO PORQUE FHC EXISTIU, ISSO É FATO. SEM ISSO SERIA O QUE SEMPRE FOI, UM SOCIALISTAZINHO DE MERDA, UM PARTIDÁRIO DO FIDEL.
SALVE FERNANDO HENRIQUE CARDOSO!
E A LULA FICA O TEMPO PARA JULGAR, COMO POLÍTICO, COMO HOMEM. A FHC JÁ NÃO HÁ O QUE ESPERAR, ELE JÁ É LENDA.

terça-feira, 16 de março de 2010

A MÃO NA PERNA.

É MEU PAI, JÁ NÃO SOMOS MAIS CRIANÇA E VOCÊ MALOGROU SEU PROJETO DE NÃO ME FAZER SOFRER.
MAS FICA FRIO, MEU BOM, BRAVO E HONESTO PAI, POIS É EM TI QUE VEJO FORÇA, A FORÇA QUE SEMPRE IMPULSIONA, QUE FAZ CRESCER.
É MEU PAI, NÃO ÉS MAIS O SUPER-HOMEM QUE EU VIA NA INFÂNCIA, QUE EU VIA O MAIS FORTE, QUE EU SUPUNHA O MAIS BONITO, QUE O MAIS ESPERTO SERIA. HOJE, DEPOIS DE ANOS, DE MAIS IDADE, VEJO TEUS DEFEITOS, TUAS FRAGILIDADES, TEUS MEDOS, TUA GRANA PARCA, TEUS POEMAS ANTIGOS. VOCÊ É MENOS POETA, VOCÊ É O POEMA. E NÃO ME PEÇAM PARA NÃO CHORAR AO ESCREVER SOBRE VOCÊ, E NÃO ME TENHAM OU TOMEM POR SENTIMENTAL, PORQUE SOU, E QUISERA QUE O MEU ESCRITO FOSSE MINHA VIDA, MEU VIVER, SERIA TÃO DOCE, TÃO LINDO.
É MEU PAI, ME FIZESTE COVARDE PARA O ÓDIO, TENHO ESSE DEFEITO, NÃO CONSIGO ODIAR, OUTRO DIA LENDO O QUE DISSE UM EX-MINISTRO DO GOVERNO LULA, CHOREI (DE FATO) COM AMOR PELO BARBUDO, TÃO XINGADO, TÃO SUPOSTAMENTE ODIADO POR MIM, SIM MEU PAÍNHO, SOU UM IDIOTA IGUAL A VOCÊ.
QUANDO TE LIGO E MANDO VOCÊ ESCUTAR UMA CANÇÃO, NÃO É UM FILHO QUE QUER MOSTRAR ALGO DE BELO AO PAI, É O POEMA QUE SOMOS, SENDO RECITADO PELO VENTO, PELO TEMPO, NA ROUCA VOZ DO NADA.
--MEU FILHO É UM IRRESPONSÁVEL~
--MAS DOUTOR, ELE É TÃO CALMO.
--UM CABRA SAFADO...
...()MEU FILHO ESTÁ AQUI, VOU ME EMBORA.
--MAS DOUTOR, ELE NÃO É UM CABRA SAFADO?
--É, MAS É MEU FILHO!
Ô MEU PAI, NÃO FOI TU QUEM ME CONTOU ISSO, FOI A MENINA DA CASA ONDE JOGAS, ONDE JOGUEI PARA QUE SOUBESSES QUE POSSO JOGAR E NÃO TE FAZER SOFRER, E A ELOQUÊNCIA DO QUE NÃO FOI DITO COM INTENÇÃO DE SABIDO DEPOIS, ADENSA O FATO À POTÊNCIA EM QUE NÃO CHEGAM ÀS POTÊNCIAS, PORQUE MATEMÁTICAS, PORQUE NÃO CABEM AOS NÚMEROS MENSURAR O AMOR.
ENTÃO É ISSO, MEU HERÓI, MEU PAI, CUMPRIMOS NOSSO PAPEL E META, VOCÊ DE PAI, EU DE FILHO, E CREIO QUE FOMOS BEM, E QUANDO NÃO FORMOS NADA, OU FORMOS OSSOS, DEPOIS CINZA E MAIS NADA, FICA O DIA EM QUE COLOCASTE A MÃO NA MINHA PERNA E NÃO DISSESTE NADA, E EU, PENSANDO QUE IRIA MORRER, SENTI O QUANTO TODA A LITERATURA, TODA POESIA, TUDO QUE APRENDI, E ATÉ MESMO MINHA DOENÇA, SÃO MENORES COISAS, OU COISAS QUE NÃO DIZEM NADA, O AMOR ENTRE NÓS, DIZ TUDO.

domingo, 14 de março de 2010

AO MESTRE COM AMOR

QUANDO SE AMA SE PODE TUDO, E EU NÃO VEJO OUTRO NOME A DAR PELO QUE SINTO POR JOÃO CABRAL DE MELO NETO, QUE NÃO ESSE: AMOR. FALO DE JOÃO E NÃO SÓ DE SUA POESIA, DELE, DE UM AMOR PESSOAL, POUCO CONDIZENTE COM A FIGURA DELE, FIGURA DE LENHA, LENHA SECA DE CAATINGA. FALO DE JOÃO COMO O FUNDADOR, OU MELHOR, DE QUEM ME MOSTROU O QUE DE FATO É SOFISTICAÇÃO, E QUEM ME FEZ AMAR O NORDESTE, SOBRETUDO PERNAMBUCO. LIA JOÃO PARA MEU FILHO QUANDO ELE TINHA TRÊS ANOS, MALUQUICE PURA, MAS LEREI AGORA QUE ELE TEM OITO, E SEMPRE QUE ELE SE DISPUSER A OUVIR O PAI.

TERIA MIL COISAS A DIZER SOBRE ELE, MAS TENHO VONTADE DE CHORAR E PARO. NÃO POR VERGONHA, SOU UM CHORÃO, PELA CERTEZA QUE MINHAS LÁGRIMAS NÃO PODEM O POEMA DE JOÃO NAQUILO QUE SE FAZ COMOVENTE SEM INTENÇÃO PRIMEIRA DE O SER.

ENTÃO É ELE QUEM FALA AGORA, COM POESIA, COM PEDRA, SECO E DIRETO, FACA, FACA SÓ LÂMINA.

João Cabral de Melo Neto



A atmosfera que te envolve
atinge tais atmosferas
que transforma muitas coisas
que te concernem, ou cercam.

E como as coisas, palavras
impossíveis de poema:
exemplo, a palavra ouro,
e até este poema, seda.

É certo que tua pessoa
não faz dormir, mas desperta;
nem é sedante, palavra
derivada da de seda.

E é certo que a superfície
de tua pessoa externa,
de tua pele e de tudo
isso que em ti se tateia,

nada tem da superfície
luxuosa, falsa, acadêmica,
de uma superfície quando
se diz que ela é “como seda”.

Mas em ti, em algum ponto,
talvez fora de ti mesma,
talvez mesmo no ambiente
que retesas quando chegas,

há algo de muscular,
de animal, carnal, pantera,
de felino, da substância
felina, ou sua maneira,

de animal, de animalmente,
de cru, de cruel, de crueza, que sob a palavra gasta
persiste na coisa seda.

quinta-feira, 11 de março de 2010

A JOVEM GUARDA

SE HÁ ALGO ABOMINÁVEL, CAFONA, IDIOTA, CRETINO, INSUPORTÁVEL, ISSO NÃO PODE SER TANTO QUANTO A "JOVEM GUARDA". RECONHECER VALOR NAQUILO É UMA DE UMA ESTUPIDEZ TOTAL. EU DESCONHEÇO UMA MÚSICA, SÓ QUERIA UMA, UMAZINHA, DESSE PSEUDO-MOVIMENTO, QUE NÃO SEJA COISA PARA RETARDADO, ANALFABETO, ENERGÚMENO, CALHORDA, PASCÁCIO, NÉSCIO, SACRIPANTA, E QUANTOS ADJETIVOS EXISTIREM PARA QUALIFICAR NEGATIVAMENTE UMA COISA.
AS LETRAS DA MÚSICA FEITA POR ESSA GENTE DIZ TUDO. AI VÃO PÉROLAS QUE QUALQUER SER NORMAL, NÃO PRECISA SER UM GÊNIO, BASTA SER NORMAL, TEM ÂNSIAS DE VOMITAR QUANDO NOS CHEGAM AOS OUVIDOS:

FESTA DO BOLINHA

Eu ontem fui a festa
Na casa do Bolinha
Confesso não gostei
Dos modos da Glorinha
Toda assanhada
Nunca vi igual
Trocava mil beijocas
Com Raposo no quintal...

Porém pouco durou
Aquela paixão
Pois, Bolinha com ciúmes
Formou a confusão
Aninha tropeçou
E os copos derrubou
E a casa do Bolinha
Num inferno se tornou...

Bolinha provou
Que é ciumento prá chuchu
E que não gosta da Lulu
Bobinha que por ele
Ainda chora...

Com tanto pão
Dando bola no salão
Luluzinha foi gostar
Logo de um Bolão...(2x)

CORAÇÃO DE PAPEL

Se você pensa que meu coração é de papel
não vá pensando pois não é
ele é igualzinho ao seu
e sofre como eu
porque fazer chorar assim a quem lhe ama

SPLISH SPLASH

Splish Splash
Fez o beijo que eu dei
Nela dentro do cinema
Todo mundo olhou me condenando
Só porque eu estava amando

PODERIA CONTINUAR, CHEGA! AS MÚSICAS SÃO DISSO PARA PIOR.
QUEM GOSTAR DISSO NÃO PODE SER CHAMADO DE SER HUMANO, DEVE SER CHAMADO DO QUE É, DE BURRO.

quarta-feira, 10 de março de 2010

ANACONDO BRANCO

POSSO TE VER TODA NOITE,
INDA QUE NÃO ESCUTE TEU SONO.
POSSO VER TEU RISO, VER VOCÊ NÃO TE OLHANDO, OU OLHANDO PRA DENTRO, OU MAIS QUE ISSO, OLHANDO DENTRO DO NADA, ONDE É SÓ ESCURIDÃO E O OLHO E OLHAR PERDEM SUA FUNÇÃO. DENTRO DO ESCURO, DO BREU MAIS EXTREMO, ONDE O PRÓPRIO SER PERDE A FUNÇÃO, O SENTIDO. ESTOU ALI, ESTAREI SEMPRE QUE EU PRECISAR PARA QUE EU RESPIRE, OU QUANDO VOCÊ QUEIRA RIR, OU ESTEJA SEM SONO. SIM, BRANCO, É DE LÁ QUE TE TRAGO AS HISTÓRIAS QUE GOSTAS, TEM MEDO E RIS, NESSE LUGAR ONDE SÓ OS DROGADOS VÃO, E VOU SEM DROGAS, VOU CARETA, PORQUE PRECISO LEMBRAR O QUE VEJO E OUÇO, PRA OUVIR TEU RISO, SENTIR TEU MEDO, E ESTAR COM PAZ EM MIM.

segunda-feira, 8 de março de 2010

FILMES

VIVA "DEUS E O DIABO NA TERRA DO SOL", UMA OBRA DE ARTE, UM FILME ACIMA DE TODOS OS QUE VI. NÃO VEJO FILME, NÃO ENTENDO NADA DE CINEMA, MAS SEI, SINTO O QUE É ARTE, O QUE FAZ UMA OBRA SER ACIMA DO CONVENCIONAL.
QUANDO VI O FILME, ACHEI LINDO, FORTEMENTE BELO, E SÓ ANOS MAIS TARDE ENCONTRARIA A EXPRESSÃO QUE DEFINIRIA O QUE SENTIA E SINTO AO REVER O FILME. NÃO ENCONTREI EM MIM, FOI CAETANO QUEM CUNHOU A EXPRESSÃO QUE AMO E ACOLHO COMO MEU SENTIMENTO PELO FILME. "BELEZA SELVAGEM", ESSA FORMA DE DIZER E LER MEUS SENTIMENTOS PELAS COISAS, FAZ DE CAÊ, UM HOMEM AMADO POR MIM. LI JOÃO CABRAL POR TER VISTO CAETANO ELOGIAR O POETA, O FILME VI ANTES E ME APAIXONEI, MAS FOI CAETANO O REVELADOR DOS MOTIVOS DA MINHA PAIXÃO.
TENHO UM RELAÇÃO ESTRANHA COM O CINEMA, QUASE NÃO VI FILMES, MAS OS QUE VI, TIRANDO AS CRETINICES AMADAS POR MIM, COMO "RAMBO", "DURO DE MATAR", FILMES EM QUE PARA SALVAR UMA PESSOA O CARA DESTRÓI QUINZE CIDADES, MATA DOIS MILHÕES DE PESSOAS, TRANSGRIDE A LEI, OS CÓDIGOS PENAIS E CIVIS, E AINDA SE CONSIDERA UM INJUSTIÇADO, TIRANDO ESSES FILMES, EU POSSO PASSAR POR CONHECEDOR DE CINEMA, SE O PAPO NÃO SE APROFUNDAR. MAS ISSO NÃO É FALSO TOTALMENTE, REALMENTE AMEI OS GRANDES FILMES QUE VI. O DE GLAUBER É A EXPRESSÃO MAIOR DESSE GOSTAR, MAS FAÇO UMA LISTA DE FILMES QUE ASSISTIRIA TANTAS VEZES QUANTO PUDESSE, SÃO ELES:
"AMACORD", QUE É CÔMICO A PONTO DE LEVAR ÀS LÁGRIMAS, 'LADRÃO DE BICICLETA", QUE É DE UMA PUGÊNCIA QUE FAZ O SOFRIMENTO REAL, HUMANO, NOSSO, SER TOLICE. EU SUPORTARIA MUITA COISA DOLOROSA, MAS AQUELE PAI, AQUELE SOFRIMENTO DE PAI, TALVEZ NÃO. "CIDADÃO KANE", QUE NÃO É O MELHOR DE TODOS, MAS SEGURAMENTE UM DOS MELHORES. AMO A PALAVRA ROSEBUD, IDENTIFICO NELA TODA A GRACIOSIDADE DO QUE QUER DIZER NO FILME. "JANELA INDISCRETA" COMO REPRESENTATIVO DO HITCHCOCK, QUE PRENDIA A ATENÇÃO NÃO SÓ PELO SUSPENSE, MAS POR DIÁLOGOS INTELECTUALIZADOS E SARCÁSTICOS, VIDE "FESTIM DIABÓLICO" E O JÁ CITADO ACIMA. "OTELO", COM ORSON WELLS, QUE PROVA QUE É POSSÍVEL RETOCAR UMA OBRA DE ARTE, AINDA QUE SEJA UM TEXTO DE SHAKESPEARE, MAS NÃO COM OS ELEMENTOS QUE TINHAM, COM ENCANTAMENTOS VISUAIS, QUE RESALTEM UM PONTO DE VISTA SOBRE UMA COISA INFINITA. WELLS SABIA QUE NÃO PODIA ABRANGER SHAKESPEARE, ENTÃO TENTOU(E CONSEGUIU) VER DE UMA SÓ MIRADO O GÊNIO DO BARDO, ENTÃO POR ISSO, MAS PARA NÃO SER INJUSTO COM WELLS, E OUTRAS COISAS, SOBRETUDO A FOTOGRAFIA DESLUMBRANTE, QUE SÓ COMPARO A DE "DEUS E O DIABO...", COM VANTAGENS PARA ESTE ÚLTIMO, MAS NÃO POR QUALIDADE SÓ, ARTISTICA, MAS POR SER MAIS MINHA PAISAGEM, E POR TER VISTO DE PERTO, NÃO EM PELÍCULA, O QUE EXALTO.
"HAMLET", DO KENNETH BRANNAGH, QUE EMBORA COM O FIGURINO BREGA, COM UMA FOTOGRAFIA BREGA (EXISTE ISSO?), E COM UM MODO DE VER A OBRA DE SHAKESPEARE, MUITO PARTICULAR, NO SENTIDO DE INTERPRETAÇÕES PESSOAIS DESCABIDAS, QUE NÃO NOS CHEGAM QUANDO DA LEITURA DO LIVRO, TEM O DIRETOR E ATOR, QUE SENDO O MELHOR, O MAIS APTO A INTERPRETAR E DIRIGIR UM FILME BASEADO EM SHAKESPEARE. "OS DEZ MANDAMENTOS", COLOSSAL, GENIAL, QUE ME FEZ LER O PENTATEUCO E ACREDITAR NAQUELE DEUS MALVADO, FOI UM MOMENTO ESTRANHO EM MINHA VIDA, POR ACREDITAR, INFLUÊNCIADO POR UM CECIL B. DE MILE, QUE JAVÉ EXISTIU, QUE ERA DEUS. NÃO GOSTO DE JAVÉ, NÃO SIGO ASSASSINOS, MAS EM HOMENAGEM A CENA DA ABERTURA DO MAR VERMELHO, A GENIAL CENA, E A MINHA FÉ CEGA E BURRA, MAS INOCENTE, COLOCO ELE NA MINHA RESTRITA LISTA. "MY FAIR LADY", "O PICOLINO", "CANTANDO NA CHUVA", COMO REPRESENTANTES DOS MUSICAIS QUE FIZERAM O QUE SÓ MICHAEL JACKSON FEZ, DESPERTARAM EM MIM UM AMOR INTENSO PELA CULTURA AMERICANA, QUE CONSIDERO A MAIS MEDÍOCRE DO UNIVERSO, EMBORA AME OS AMERICANOS ENQUANTO ORGANIZAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA, COISA ESTRANHA, POIS AQUI SE FALA MAL DELES NO QUE ELES SÃO BONS, E NÃO O SEGUEM, E SE COPIA O MODO DE FALAR E VESTIR DELES. "TERRA EM TRANSE", OUTRA OBRA-PRIMA DE GLAUBER, PROFÉTICA, FANTÁSTICA. LULA ESTÁ LÁ, COM SEUS QUARENTA MIL LADRÕES, SUA DEMAGOGIA DE SANTO NORDESTINO, SEU ODIENTO MESSIANISMO, QUE VAI FAZER DO BRASIL UM PAÍS PIOR DO QUE PODERIA SER POR MAIS TRINTA ANOS. DESTACO A PARTE EM QUE O JORNALISTA PEDE PARA QUE O "O POVO" FALE E DEPOIS TAPA A BOCA DO SUJEITO QUE REPRESENTA O POVO, DIZENDO: "ISSO QUE É O POVO, UM DESPOLITIZADO, UM ANALFABETO", LULA TEM 80% DE APROVAVAÇÃO POPULAR, JESUS NAÕ TEM TANTO, GLAUBER ACERTOU.
BOM, TERMINO AQUI, VI MAIS FILMES BONS, MAS SE NÃO ME VIERAM Á CABEÇA COMO ESTES É POR NÃO ME DIZEREM TANTO.

sexta-feira, 5 de março de 2010

O ATEU DE RIMBAUD

JÁ NÃO CREIO EM MIM, MENOS EM DEUS, POUCO NAS PESSOAS, NADA NA BONDADE, NO ALTRUÍSMO, NO BEM COMUM, NOS POLÍTICOS, NA POLÍCIA, NAS MUDANÇAS, NAS MULHERES, NOS HOMENS, NA LIBERDADE, NO TALENTO, NÃO CREIO MAIS EM NADA FORA DO ÂMBITO DA LÓGICA, SEM AMBIVALÊNCIAS, TRANSCENDÊNCIA, MISTICISMO, REPUTAÇÕES, VULTOS, TOTENS.
A ÚNICA COISA REAL QUE EU VEJO É O FIM, O CAOS, O NADA, E AINDA ASSIM SOU FELIZ, SIM, SOU FELIZ, COM MINHAS DÍVIDAS, MEUS HIATOS, MINHA MORAL PESSOAL, MINHA COMPULSÃO PELO ERRO, MEU EXCESSIVO AMOR PELA MADRUGADA E PELO SEXO, E PELO JOGO, E POR UMA COISA ESTRANHA, QUASE ABSURDA PARA O PERSONAGEM QUE TRACEI DE MIM, PELO QUE VEJO AO ME OLHAR NO ESPELHO: AMOR. SIM, SOU AMOROSO DEMAIS PARA MEU CARATER DESTRUTIVO.

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

UM AMOR HUMANO

EU POSSO ESCREVER TEXTOS SINCEROS, E SEMPRE FAÇO ISSO. O PROBLEMA É QUE LHE PROMETI UM TEXTO LINDO, E ISSO NÃO POSSO LHE DAR. ENTÃO SEM MAIS DESCULPAS, EIS O TEXTO QUE ERA PARA SER LINDO, MAS SERÁ SINCERO:



UM TEMPO ATRÁS ESCREVI SOBRE UM CASAL QUE PERDERA O FILHO, LU E DENIS, ME ENVOLVI COM O SOFRIMENTO DA MÃE, COM SUA PAIXÃO PELO FILHO PERDIDO, POR SUA DOR RESIGNADA, NOS TORNAMOS AMIGOS, E EU SEMPRE DISSE QUE QUANDO ELA ENGRAVIDASSE FARIA UM TEXTO LINDO. JÁ DISSE ISSO NO PARÁGRAFO ACIMA, SEI DISSO, MAS ANTES QUE EU COMECE COM MINHAS SENTIMENTALIDADES, DRAMAS E CHORAMINGOS, É BOM QUE ME CONTENHA, E FIQUE FRIO, PORQUE NÃO PRECISA SER CHOROSO O TEXTO, AFINAL ELA ESTÁ GRÁVIDA, E ISSO HÁ QUE SE COMEMORAR, MUITO.

SIM, LU ESTÁ GRÁVIDA!

O COMBINADO ENTRE NÓS É QUE EU SERIA O SEGUNDO A SABER DA SUA GRAVIDEZ, O PRIMEIRO NÃO VALE PORQUE É O PAI, DOS AMIGOS FUI O PRIMEIRO, E DISSO TENHO ORGULHO.

O CASAL LU E DENIS ESPERAM UM BEBÊ (NÃO COLOCAVA O CIRCUNFLEXO ANTES DE LU ME DIZER QUE ELE EXISTIA, DE BEBÊS ELA ENTENDE MAIS QUE EU), E EU JÁ COMEÇO A QUERER CHORAR, PORQUE PATETA ASSIM SÓ EU MESMO, MAS JUSTIFICO MEU CHORO. É QUE QUEM NÃO VIU A DOR DE UMA MÃE, SUA INSÔNIA, SEU GRITO, SUA SOLIDÃO, SUA PERDA, TALVEZ TENHA-ME POR LACRIMOSO, E SOU.

TEM HORAS QUE SINTO A DOR DE ALGUÉM COM MAIS INTENSIDADE QUE O NORMAL, NÃO SOU BOM, MAS SEI O QUE É SOFRER UMA PERDA, E ME COMOVE ISSO, E ME ACHO MELHOR DO QUE DE FATO SOU. O MEU CHORO FOI SINCERO, AMIGA QUERIDA, CADA LÁGRIMA VERTIDA FOI DE DOR, E AS DE AGORA SÃO DE AMOR. AMOR POR TI, POR TEU FILHO SONHADO, PELO DIA EM QUE POSSA TE VER EMBALANDO UMA CRIANÇA LINDA. E NESSE DIA, ELE ESTÁ BREVE, TALVEZ NEM CHORE, POR VERGONHA DOS OUTROS, MAS VOCÊ SABE O QUANTO FOI DOÍDA TUA DOR EM MIM, SEI DE QUANTO DOEU A MINHA EM TI, SABEMOS QUE SOMOS AMIGOS PARA ALÉM DO TEMPO, DOS RISOS, DAS BRIGAS.

MEU PRIMO

MEU PRIMO ACHA QUE O RIO DE JANEIRO É SUPERIOR A PERNAMBUCO, AO NORDESTE, E DIZ SEM CERIMÔNIA ISSO. ESTÁVAMOS NA PRAIA E ELE AO VER UM HOMEM ENTRAR NO MAR DE CAMISA, PERGUNTOU SE NÓS TODOS ÉRAMOS ASSIM, TOMÁVAMOS BANHO DE MAR DE CAMISA. PERGUNTEI-LHE QUANTAS PESSOAS ESTAVAM FAZENDO O MESMO, ELE CALOU-SE, EU DISSE: NÓS SOMOS NORMAIS E NÃO NOS RESPONSABILIZAMOS POR MALUQUICES ALHEIAS, MAS NA MESMA HORA VOLTEI ATRÁS E EXPLIQUEI QUE O CARA DEVERIA ESTAR FAZENDO COOPER, PORQUE MOLHOU A CAMISA PARA FICAR MAIS TEMPO COM O CORPO RESFRIADO.
QUALQUER FORMA DE PRECONCEITO É RIDÍCULO, ABOMINÁVEL, EXECRÁVEL, MAS HÁ UNS QUE SÃO IRRITANTES POR SEREM DESCARADOS, O CARA VEM AQUI, FALA MAL DA CIDADE, DO ESTADO, RIDICULARIZA PESSOAS E FORMAS DE VIVER, ACHA GRAÇA NA NOSSA CULTURA POPULAR, E CHEGA NO RIO E VAI ESCUTAR MARCELO D2, FALAR UM PORTUGUÊS DE QUINTA CATEGORIA, ANDAR EM UM CIDADE IMUNDA E VIOLENTA, ASSISITIR BIG MERDA, E VOTAR NO IMBECIL DO LULA.
UM SUÍÇO CHEGAR AQUI E ESCULHAMBAR, TUDO BEM, ELE MORA EM UM PAÍS DECENTE. MAS UM CARIOCA, UM COLONIZADO, UM ELEITOR DE LULA, UM UNIVERSITÁRIO ANALFABETO FUNCIONAL, UM BRASILEIRO, EU SÓ POSSO DIZER O QUE OLAVO DE CARVALHO DISSE PRO VARELA: VAI TOMAR NO CU !
SIM, ESTOU VIVO, DUPLAMENTE, OU SUPERVIVO, PORQUE ESCAPEI DA MORTE. SEI QUE DELA NINGUÉM ESCAPA, MAS QUANDO VI O DITO DO OUTRO, E SÓ PENSEI EM NÃO MORRER, MAS NÃO POR COVARDE, POR MEU FILHO, DIGO: TEREI MAIS CUIDADO, PORQUE HOJE É SEXTA, ELE VEM, E SE NÃO FOSSE O PEDIDO DE UM OUTRO AO QUE QUERIA O QUE ME FARIA NÃO VER MAIS PITOCUDO, EU ESTAVA ONDE NÃO O VERIA.

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

EU

AS VEZES QUERO ABRAÇAR O MUNDO, E OUTRAS MATAR O LULA!
MAS POR OUTRAS QUERO ABRAÇAR O LULA E MATAR O RESTO.
MAS O MOTIVO DE MINHAS MORTES (IMPOSSÍVEIS DE VIR A TER EFEITO) É O MESMO:
AMOR.
MUITAS VEZES BRIGO POR NADA, OUTRAS RELEVO TUDO,
NUMAS ESTOU CERTO EM OUTRAS ERRADO, MAS O MOTIVO É O MESMO,
IMPULSIONAR O INERTE, ALERTAR O CALADO.
OS MEUS GOSTOS SÃO EXTREMOS, MINHAS RAIVAS PASSAGEIRAS, MEUS GOSTARES SÃO PRA SEMPRE, MESMO À MINHA MANEIRA, MINHA VIDA EU TENHO TODA GRAVADA EM MINHA MEMÓRIA, MINHA MORTE EU JÁ PREDIGO, SERÁ EM DIA CHUVOSO, SERÁ NO DIA EM QUE EU CANSAR, SERÁ NO DIA EM QUE EU CHORAR E NÃO FOR MAIS POETA, AI DESISTO DE TUDO, AI FICA TUDO COMPLETO.

UMA PRAÇA FEIA


PITOCUDO TORCEU, FICOU BRAVO, IMPACIENTE, NÃO ADIANTOU, O VASCO PERDEU. E OLHA QUE FOI PARA O BOTAFOGO!

O VASCO PERDEU, FOMOS A UM ANIVERSÁRIO, COMEMOS UM POUCO, FOMOS A UMA PRAÇA PRÓXIMA, FICAMOS CONVERSANDO, EU E ELE, FALAMOS SOBRE COBRAS, MINHA INFÂNCIA E DE COMO ERA QUANDO ELE NÃO EXISTIA. A CERTA ALTURA EU DISSE: PITOCUDO, PERDER FAZ PARTE DO JOGO VIDA.

QUERIA MUITO QUE O VASCO GANHASSE, ESTÁVAMOS CERTOS DISSO, ELE COM A CAMISA DO VASCO, EU COM OUTRA. PERDEMOS, INFELIZMENTE PERDEMOS. E NÃO HAVIA JUIZ A XINGAR, NEM GOLS PERDIDOS, NADA, PERDEMOS POR MOTIVO SIMPLES DE QUE NÃO JOGAMOS NADA. HÁ NA DERROTA, SOBRETUDO EM UM JOGO DE FUTEBOL, UMA SÉRIE DE NUANCES, DE COISINHAS QUE PODERIAM SER MUDADAS, E ENTÃO VENCERÍAMOS, MAS PERDEMOS.

PERDER É RUIM, NINGUÉM GOSTA, MAS É O JOGO, É O CONTRAPESO DA VITÓRIA, SEUS SABOR. MAS PERDER É RESIGNAR-SE, RESPEITAR O PERDER, SABER DE SUA DERROTA, DA IMPOSSIBILIDADE DE VOLTAR O TEMPO.

É ISSO QUE TENTEI PASSAR PARA MEU FILHO, TENTEI MOSTRAR A ELE, E NEM SEI SE CONSEGUI, QUE HÁ UMA ENORME DIFERENÇA ENTRE O CARA QUE PERDE, SE ENTRISTECE, CHORA MESMO, E O QUE BRIGA E AGRIDE O VENCEDOR. O VENCEDOR COMEMORA, O DERROTADO CHORA, MAS NUNCA ESQUECER QUE O PRINCIPAL É ESTAR APTO PARA A VITÓRIA E PARA A DERROTA,

SEI QUE ISSO É UMA POSTAGEM VAGABUNDA SOBRE UM ASSUNTO BARATO, CHEIA DE MORALISMOS BOBOS E SENTIMENTALÓIDE, MAS QUEM ESTAVA CONOSCO ONTEM, NAQUELA PRAÇA FEIA E ESCURA, QUEM NOS VIA DE LONGE E CHEGOU A SE COMOVER FOI O PRÓPRIO CRISTO. NÃO EXAGERO, E OLHANDO AGORA, SIM AGORA LEMBRO, NO MEIO DA PRAÇA, AGASALHANDO MEU FILHO ENQUANTO O TÁXI VINHA, ENQUANTO O MUNDO ARDIA, EU VI, E COMO CHORAREI QUANDO MAIS VELHO ME LEMBRAR DISSO! EU VI UM LÁGRIMA, NÃO ERA NO CÉU, NEM NA PRAÇA, NEM EM LUGAR ALGUM, NEM NO MEU ROSTO, NEM DO PITOCUDO, SEI QUE ERA UMA LÁGRIMA, E ERA FRIA, ENTERNECIDA, UMA LÁGRIMA DE DENTRO, DE AMOR, DE PAI E FILHO.

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

NÃO TE FARIA MAL

ELA SABE QUE NÃO SOU CANALHA, ELA SABE, PORTANTO FOI ALMOÇAR QUASE QUE SEM MEDO.

PORQUE EU A FARIA MAL?

FOI ELA QUE ME TOMOU OS PÉS, ME CORTOU AS UNHAS, ME FOI DE UM DESCANSO COMO FOI PARA JESUS A PROSTITUTA QUE LAVOU-LHE OS PÉS COM LÁGRIMAS E SECOU COM OS CABELOS. CLARO, NEM ELA É PROSTITUTA, MUITO MENOS EU SOU SOMBRA DE QUEM TEVE OS PÉS LAVADOS, MAS FOMOS AMADOS, E ESSA É A QUESTÃO. NÃO FOI UMA PROSTITUTA LAVANDO OS PÉS DE UM DEUS, FOI SÓ UM GESTO DE AMOR, SOFRIDO, DESESPERADO, DE AMOR SEM SEXO, AMOR PURO COMO SÓ UMA PROSTITUTA PODERIA SENTIR POR UM DEUS.

PORQUE EU A FARIA MAL?

ELA QUE CUIDA DE MIM COMO MINHA MÃE NUNCA CUIDOU, É MEU PAI MULHER. JUSTO ELA QUE PENSA QUE MORREREI DE UMA TOSSE, QUE ADVINHA MEUS MEDOS, PARA QUEM JÁ NÃO MINTO E DE CUJO CORPO, COM BOCA, SEXO, CHEIRO, CALOR E LÍQUIDOS, FOI TÃO MEU, E É AINDA, QUE É COMO SE EU AINDA NELE, EMBORA LONGE.

NÃO, NUNCA FAREI O QUE DISSE, ESTEJA CERTA DISSO, E NISSO ESTÁ TUDO, NUNCA FAÇO MAL A QUEM AMO (NÃO CONSCIENTEMENTE) E ISSO NÃO É POR VOCÊ, É POR MIM. PRECISO SER LIMPO NO MEIO DE MINHA SUJEIRA, DE MINHA LAMA, NÃO PERCO O FIO QUE ME PRENDE À DEUS, AINDA QUE FRÁGIL ELE NÃO ARREBENTA.

NÃO FIZ, NUNCA FAREI MAL A TI, FOFURETE, NO MÁXIMO UMA MENTIRINHA BOBA, MAS SENDO MINHA, CHEIA DE UMA QUASE VERDADE, OU TODA VERDADE ENVOLTA EM QUASE MENTIRAS.

NÃO SOMOS MAIS O QUE FOMOS, NUNCA MAIS SEREMOS, MAS TE QUERO BEM, LONGE DE MIM, DENTRO DE MIM. TORÇO PELO TEU SONHO, TORCES PELO MEU, SOMOS AMIGOS, SOMOS IRMÃOS, SOMOS MAIS QUE ISSO, SOMOS O AMOR.

NUNCA NA VIDA FARIA UM MAL A MIM, NUNCA FAREI A TI.

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

CARNAVAL


PARA CRIS, AMANDA E CARLITO TEVES.











PELO CARNAVAL QUE FOI, POR AMIGOS QUE GANHEI, ONDE ESTIVE, ONDE ESTAREI, E AS DELÍCIAS QUE VIRÃO. PELAS GUERRAS TÃO INJUSTAS, MAS QUE VENÇO UMA A UMA, PELAS TARDES, PELA LUA, TÃO IGUAL E ADORADA, SIGO ASSIM A MINHA ESTRADA, VOU COMPONDO MINHA VIDA, QUANDO DÓI EU CHORO UM POUCO, MAS DO RISO SOU PARCEIRO, SE AMAR FOR PESADELO, SOU UM SER ATORMENTADO, MAS SE FOR UM BOM VIVER, SOU O MAIS FELIZ QUE HÁ. SE SER BOBO É SE DOAR, SOU O OTÁRIO DO PEDAÇO. SE NÃO AMAR É O QUE FAÇO, POIS ME MOSTRE O QUE É AMAR.

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

OLAVO DE CARVALHO

OLAVO DE CARVALHO, ESSE É O CARA!
ELE ESTÁ FORA DE MODA, ANACRÔNICO COMO UM ELVIS PLESLEY EM PLENO CARNAVAL BAIANO. DEFENDE CRISTO, E CRÊ EM DEUS. NISSO RESIDE O PROBLEMA DE SEU ANACRONISMO, PORQUE SE CONVENCIONOU QUE CRER EM DEUS É COISA DE GENTE MENOS INTELECTUALIZADA, DE INTELIGÊNCIA MENOR. OLAVO DE CARVALHO É CULTO, MAS NÃO O CULTO DA "VEJA", O REINALDO AZEVEDO, ELE PENSA APARTIR DE SI, NÃO DE UM IDÉIA GERAL, COMO UM CAPITALISTA OU SOCIALISTA. MAS ISSO É RARO. O QUE VEMOS É A OPINIÃO VIR DE ACORDO COM UMA ESTRUTURA ANTERIOR DA QUAL NÃO SE PODE DESPRENDER. A ÚNICA COISA QUE DEVE PRECEDER À OPINIÃO É DEUS. O CARA NÃO PODE RACIOCINAR, E SER LEVADO À SÉRIO, SE PARTIR DE UMA CONCEPÇÃO QUE NÃO A DIVINA. FALO DO BEM, DEUS É O BEM, E SE ATEU NÃO GOSTA DE MATAR, NÃO ESTUPRA, NEM SE COMPRAZ NO MAL, QUER QUEIRA QUER NÃO, OBEDECE A UM IMPULSO PRIMÁRIO DE BONDADE, A QUE EU CHAMO DEUS, E QUE VERDADEIRAMENTE O É.
OLAVO É UM CARA QUE ARGUMENTA EM UM NÍVEL SUPERIOR AO MEL, LÓGICO, QUASE TODO MUNDO É ASSIM, SÓ QUE ESTÁ EM UM NÍVEL SUPERIOR A QUASE TODO MUNDO. NÃO DEFENDE A EXISTÊNCIA DIVINA COM ARGUMENTOS CRETINOS, TAIS COMO: O MAR EXISTE, ENTÃO DEUS O CRIOU. O NÍVEL DE ARGUMENTAÇÃO DELE HUMILHA OS SEUS OPONENTES. ELE É CHAMADO DE REACIONÁRIO, DIREITISTA, ESSAS QUALIFICAÇÕES QUE FAZEM DE UM HOMEM, PELO MENOS EM NOSSA REPUBLIQUETA, UM GÊNIO. MAS ELE NÃO É UM GÊNIO, É UM FILÓSOFO QUE ACREDITA EM DEUS, E EU EM AMBOS.

segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

TODO HOMEM É UM FERNANO PESSOA


PITOCUDO AFIRMOU QUE EU NÃO ERA POETA(AGORA DEU DE FICAR OLHANDO EU ESCREVER), COMO SABIA QUE QUERIA IMPLICAR COMIGO, PERGUNTEI-LHE:
--O QUE É UM POETA?
--ELE NÃO SOUBE DIZER.
VOU DIZER O QUE É UM POETA E O QUE É POESIA.
OLHAR O MUNDO COM PENA, APRECIAR O QUE VEM ACIMA, NÃO DEPRECIAR O QUE VEM ABAIXO, RESPEITAR A TODOS, NÃO POR DINHEIRO, NÃO POR OCUPAÇÃO, MAS POR SABER QUE TODO HOMEM É UM FERNANDO PESSOA QUE NÃO ESCREVE COMO O POETA. TEM AS MESMAS DORES E AMORES REJEITADOS, AS MESMAS FRAQUEZAS DISFARÇADAS EM FORÇA INEXISTENTE.
TODO HOMEM É UM FERNANDO PESSOA, NADA DEMAIS HAVIA NO AUTOR DE "MENSAGENS", SÓ O PODER REVELAR POR PALAVRAS, AS DORES MAIS ORDINÁRIAS, O QUE SOMOS TODOS, O QUE SEREMOS SEMPRE.
ENTÃO POETA TODOS SÃO, EXCLUINDO-SE OS ASSASSINOS, OS DELINQUENTES, OS LADRÕES DE SONHOS, OS QUE QUEREM O MAL, OS PRECONCEITUOSOS.
POESIA É VER NO COTIDIANO DE UM PESSOA O QUE O PESSOA SENTIA, E SABER QUE PRETO, BRANCO, VEADO, OU SANTO, TODO MUNDO É UM, É MIL, É UM FERNANDO PESSOA.

SE TODOS FOSSEM IGUAIS A VOCÊ, QUE MARAVILHA VIVER!


QUANDO COMPÔS ESSA MÚSICA, TOM E VININHA, PENSARAM NOS JOGOS ENTRE VASCO E BOTAFOGO.

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

"TER OU NÃO TER: ESSA É A QUESTÃO!"

domingo, 10 de janeiro de 2010

NEM PESSOA, NEM CHICO.

SE EU FOSSE FERNANDO PESSOA, ESCREVERIA UM POEMA TÃO LINDO E SENTIMENTAL, TÃO DOCE E SOBRE TEU OLHAR, QUE VOCÊ NÃO IA ACREDITAR QUE EU TIVESSE ESCRITO, QUE FOSSE EU O AUTOR.


SE FOSSE FORTE TE PORIA NOS BRAÇOS, E TE BALANÇARIA E RIRÍAMOS MUITO.


E SE EU PEGASSE O VIOLÃO E TE FIZESSE UMA CANÇÃO BUARQUIANA?





NÃO SOU PESSOA, NÃO SOU FORTE, NEM SOU CHICO.





POSSO FAZER, E ISSO APRENDI COMIGO, NÃO FOI NEM PESSOA, NEM CHICO, UM POEMA TÃO SEM BRILHO, TÃO SEM GRAÇA, QUE TE FAÇA CHORAR, OU RIR. E O PRANTO OU RISO, NÃO ME IMPORTO, SERIA TUDO.



E SE EU PUDESSE SER O QUERIA, SER RICO, OU SALVAR VIDAS, OU CONTRABANDISTA, QUEM SABE UM ANJO?

NADA, PREFIRO SER EU MESMO, PARTILHAR CONTIGO MINHA DOR, MEU RISO, MINHAS PONTES E MEU PAI. E VENDO ISSO, SENTINDO MOSTRAR QUE QUANDO ESTOU COM DOR, CHORO, MAS QUE SOU MAIS RISO, MAIS DEBOCHE, SOU O ESTÁ DEPOIS DA MORTE E REMETE AO PRINCÍPIO DE TUDO. O QUE VEIO, TE AMOU, O QUE VOCÊ QUIS GUARDAR, MAS NÃO DEU, NÃO DÁ, POR QUE NÃO CAIBO EM UM SÓ LUGAR.

ME MOSTRE UM LUGAR, UM QUERER, UMA MÚSICA, UMA COISA QUE MESMO NÃO PODENDO SER, NÃO PODENDO DAR, EU POSSA PARTILHAR.
video

sábado, 2 de janeiro de 2010

CHEGA!

Ninguém viu eu na ponte, só o motorista, mas esse estava louco, como os homens todos. e não me olhou , sequer pressentiu  o que pararia uma guerra. Eu compreendi cabral, não como leitor, como em sonho de poeta. Quando estou em transe você nunca esta, estou só, estou em mim, e nessas horas sinto Cristo.

Ninguém estava no banheiro, ninguém viu, portanto se calem quando pensarem mal de mim, que suas bocas se contenham, porque estava exercendo o ofício de que me gabo tanto, do qual me orgulho, de ser pai. Dando banho em meu filho, que me olhava com minhas dificuldades de motoras, que me amava pelo esforço quase sobrenatural, quase sagrado, de livrar-lhe de um constrangimento.

E quando eu fui só, chovia pouco, e era tarde, já quase noite, e nunca esqueço o que ele disse, e sempre choro por esse dia, e sempre lembro de uma menina com sua mãe, e eu tentando dizer com o olho àquela menina, triste e linda, que a vida ainda presta, ainda é vida. A menina triste, na cadeira de rodas, nem sei se era tão linda ou tão triste, mas para mim o que conta é o que havia de força no drama.

Quem esteve comigo quando fui bom? ninguém!

Quando joguei, perdi, menti, errei, havia o mundo de testemunho. Quando eu velava o mundo, chorava por ver uma idéia boa, auspiciosa, sendo posta em prática por um canalha e berrei contra isso, todos riram, ou desprezaram, ou nem isso.

Quem me cobra saberá porque me perdi?

claro que  não.  Não haverá jeito de o mundo compreender, mas não queria o mundo, bastava só você, bastava só o teu suor, o teu sexo. Mas você nem veio, nem virá, nem é minha nem será, e já olho tudo sem você, e já não quero nada, só fazer sexo,  dormir, e esperar o fim de tudo. sem lamentar.

E chega de postagens, chega de tudo, tragam álcool, tragam putas, tragam fel ao meu coração. e que eu nunca pronuncie mais a palavra coração, e nem fale de meu amor por meu filho.

NO MAIS,TUDO É SILÊNCIO.