domingo, 14 de março de 2010

AO MESTRE COM AMOR

QUANDO SE AMA SE PODE TUDO, E EU NÃO VEJO OUTRO NOME A DAR PELO QUE SINTO POR JOÃO CABRAL DE MELO NETO, QUE NÃO ESSE: AMOR. FALO DE JOÃO E NÃO SÓ DE SUA POESIA, DELE, DE UM AMOR PESSOAL, POUCO CONDIZENTE COM A FIGURA DELE, FIGURA DE LENHA, LENHA SECA DE CAATINGA. FALO DE JOÃO COMO O FUNDADOR, OU MELHOR, DE QUEM ME MOSTROU O QUE DE FATO É SOFISTICAÇÃO, E QUEM ME FEZ AMAR O NORDESTE, SOBRETUDO PERNAMBUCO. LIA JOÃO PARA MEU FILHO QUANDO ELE TINHA TRÊS ANOS, MALUQUICE PURA, MAS LEREI AGORA QUE ELE TEM OITO, E SEMPRE QUE ELE SE DISPUSER A OUVIR O PAI.

TERIA MIL COISAS A DIZER SOBRE ELE, MAS TENHO VONTADE DE CHORAR E PARO. NÃO POR VERGONHA, SOU UM CHORÃO, PELA CERTEZA QUE MINHAS LÁGRIMAS NÃO PODEM O POEMA DE JOÃO NAQUILO QUE SE FAZ COMOVENTE SEM INTENÇÃO PRIMEIRA DE O SER.

ENTÃO É ELE QUEM FALA AGORA, COM POESIA, COM PEDRA, SECO E DIRETO, FACA, FACA SÓ LÂMINA.

João Cabral de Melo Neto



A atmosfera que te envolve
atinge tais atmosferas
que transforma muitas coisas
que te concernem, ou cercam.

E como as coisas, palavras
impossíveis de poema:
exemplo, a palavra ouro,
e até este poema, seda.

É certo que tua pessoa
não faz dormir, mas desperta;
nem é sedante, palavra
derivada da de seda.

E é certo que a superfície
de tua pessoa externa,
de tua pele e de tudo
isso que em ti se tateia,

nada tem da superfície
luxuosa, falsa, acadêmica,
de uma superfície quando
se diz que ela é “como seda”.

Mas em ti, em algum ponto,
talvez fora de ti mesma,
talvez mesmo no ambiente
que retesas quando chegas,

há algo de muscular,
de animal, carnal, pantera,
de felino, da substância
felina, ou sua maneira,

de animal, de animalmente,
de cru, de cruel, de crueza, que sob a palavra gasta
persiste na coisa seda.

Um comentário:

Mirse Maria disse...

Que bela homenagem, Well.

Esse poema ainda não tinha lido, ou se li, não continha nele, a emoção que você passou ao transcreve-lo.

Apoio e vibro igualmente com o poeta dos POETAS.

Me emociono, choro, e compartilho todo o conteúdo do poema como uma obra de Arte!

Beijos

Mirse