segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

EU

AS VEZES QUERO ABRAÇAR O MUNDO, E OUTRAS MATAR O LULA!
MAS POR OUTRAS QUERO ABRAÇAR O LULA E MATAR O RESTO.
MAS O MOTIVO DE MINHAS MORTES (IMPOSSÍVEIS DE VIR A TER EFEITO) É O MESMO:
AMOR.
MUITAS VEZES BRIGO POR NADA, OUTRAS RELEVO TUDO,
NUMAS ESTOU CERTO EM OUTRAS ERRADO, MAS O MOTIVO É O MESMO,
IMPULSIONAR O INERTE, ALERTAR O CALADO.
OS MEUS GOSTOS SÃO EXTREMOS, MINHAS RAIVAS PASSAGEIRAS, MEUS GOSTARES SÃO PRA SEMPRE, MESMO À MINHA MANEIRA, MINHA VIDA EU TENHO TODA GRAVADA EM MINHA MEMÓRIA, MINHA MORTE EU JÁ PREDIGO, SERÁ EM DIA CHUVOSO, SERÁ NO DIA EM QUE EU CANSAR, SERÁ NO DIA EM QUE EU CHORAR E NÃO FOR MAIS POETA, AI DESISTO DE TUDO, AI FICA TUDO COMPLETO.

Um comentário:

Mirse Maria disse...

Well!

Que bom que você será imortal como todo poeta.

MINHA MORTE EU JÁ PREDIGO, SERÁ EM DIA CHUVOSO, SERÁ NO DIA EM QUE EU CANSAR, SERÁ NO DIA EM QUE EU CHORAR E NÃO FOR MAIS POETA, AI DESISTO DE TUDO, AI FICA TUDO COMPLETO.

Você nunca vai deixar de ser POETA, porque já marcou em breves linhas e em outras nem tanto breves, que poesia se vê aonde o poeta está.

Na dor, na alegria, na praça, num olhar de filho, num vibrar de um som....enfim, POETAS não morrem.

Seu "EU" já está eternizado!

Beijos

Mirse