domingo, 29 de novembro de 2009

DOIS CARAS BACANAS

Eu tenho mal de parkinson diagnósticado desde os 26 anos, tomo em torno de 16 comprimidos por dia, difculdades de fazer coisas simples, e tenho de pensar cada movimento que faço. Tudo que era mecânico, que qualquer pessoa faz naturalmente, eu preciso pensar antes.
O mal de parkinson é limitador, cruel, desgastante.
Mas eu não sou o mal de parkinson, ele não existe como um ser, eu sim. Eu sou um ser, posso sofrer, posso sorrir. Não sou ma doênça, sou uma pessoa. E escrevo isso por ter lido um ator americano (michael j. fox) dar uma aula na revista “Veja”, otimista, jovial, sereno, embora trema o tempo todo.
O parkinson, o câncer, a doênça que for, em situação que for, não pode destruir o sorriso. O sorriso é o motivo de tudo. Nada pode mais que o sorriso, nada pode mais que a fé. Ter fé em Deus, com o nome que você queira dar a ele, não importa, mas ter fé é tudo.
Quando meu flho me beija, ou vejo o mar, ou uma coisa que me dá paz, eu tenho amor pela vida, e isso é fé. Não se trata de tentar estendé-la por outra eterna, se trata de coisa maior, de coisa diversa. As vezes me cansa e me pesa a minha doênça, porque ela me tolhe, age de maneira mesquinha...., êpa!
Bobagem, ela não age, eu sim, porque posso chorar, mas posso escrever e dizer isso, ou ler manuel bandeira, ou xingar lula e beber água gelada.
E choro, sou um chorão, chego a ser ridículo. Se eu contar o tanto que choro será cômico, porque as vezes eu choro por que está chovendo, ou por ver outro ser chorar, ou por ver saúde no meu filho, ou por um rosto triste, ou lembrar um alegre, que está longe. Nunca tive vergonha de meu chorar demasiado, contenho na frente dos outros por receio de ser chato ou doido, ou confundido com o que não sou, uma pessoa triste. Porque sou alegre por natureza, sou bem humorado por vocação. Riu muito, sou uma pessoa que aceita as coisas, sem entreguismo, claro, com fé.
É sim, tenho fé, acredito em Cristo, acredito que o homem possa melhorar, começando por mim.
E eu deixo aqui uma mensagem otimista, uma espécie de “acorda, rapaz”, e digo a quem ler isto, por acaso ou não.
Eu pensei que ia morrer com 29 (foi me diagnósticada E.L.A., esclerose lateral amiotrófica, que mata rapidamente) estou com 34 e penso estender minha estadia aqui por mais 266, pois estou muito imaturo para morrer. E se posso te dar um conselho( e nesse aspecto posso) seja como o astro americano, seja como eu, aceite coisas duras e difíceis, porque cada ser humano tem seu mal de parkinson particular, sua dor, seus medos, sua aflição. Então chore, mas reaja, seja feliz, brinque e destribua carinhos, seja afável. E lembre-se, Deus (sim, ele existe) te dá recompensas pelas tuas bondades, desproporcionais, maiores do que elas mereciam, porque ele é desproporcional quando recompensa uma ato amoroso.
Eu, michael j. fox, dois caras bacanas, não somos santos, nem vítimas de nada, somos só dois caras bacanas.

7 comentários:

Mirse Maria disse...

Maravilhoso, Well!

Exatamente a verdade aqui foi descrita. Você se sobrepõe à doença. Você não é o Mal de Parkinson, você está com ele, mas não é a doença.

Sua bravura e seu modo de olhar como um espectador, estou certa que dará coragem e força à muita gente.


O sorrir, é a arma dos fortes, e isto você ensina bem, porque é culto e amadurecido pelos livros que já leu e pela inteligência e sagacidade inerentes à você!

Sóp posso APLAUDIR!

DE PÉ!

Parabéns!

Beijos

Mirse

Baldoino disse...

Parabéns, Amigo Wellington, estou conhecendo ou reconhecendo você agora, seu nome não me é de todo estranho, tudo que você fala é a mais pura verdade verdadeira.

Estou postando seu bravo depoimento e colocando o link do seu blog no nosso, precisamos nos dar as mãos e mostrar para aqueles que foram surpreendidos com o diagnóstico e não sabe para onde ir, que não vislumbra uma luz no fundo do túnel, que esta de luto, que não quer mostrar a cara, que quer ficar no anonimato e esta entregando os pontos.

Temos uma comunidade atuante de bravos guerreiros (as) como você, será um grande prazer ter você conosco.

"Estamos todos no mesmo Barco"

http://associaobrasilparkinson.blogspot.com/

Iris Scarabucci disse...

WELLINGTON,
Sou Parkinsoniana e descobri o seu blog através do Baldoino. Você descreveu de maneira simples o que eu penso da doença e o quanto temos que reagir e dar o nosso grito de alerta e de rebeldia contra o mal de Parkinson.
Badu no comentario foi suscinto ao falar você está com a doença. Você não é a doença. Isso é importante demais. Parabéns pelo blog e pela sua coragem .Guerreiros lutam sempre, né?

WELLINGTON GUIMARÃES disse...

BALDOÍNO,

MEU NOME NÃO LHE DEVE SER ESTRANHO MESMO, DOIS ANOS ATRÁS ME INDISPÛS COM EDGAR, DE QUEM ERA AMIGO,E NÃO GUARDO MÁGOA, PORR UM EPSÓDIO LAMENTÁVEL, QUE NÃO ME INTERESSA RELEMBAR. FICO FELIZ PELA VISITA E AGRADEÇO A INCLUSÃO NO SEU BLOG.
SOMOS ESPECIAIS?
NÃO, TODO SER HUMANO É.
SOMOS DOENTES?
SIM, MAS NÃO SOMOS A DOÊNÇA.
MEU PAI REFUTA A PALAVRA 'DEFICIENTE", ACHA-A MUITO FORTE.
SOMOS PESSOAS (NÓS, PARKINSONIANOS) DEFICIENTES SIM.
SER DEFICIENTE NÃO É DESABONADOR, TAMPOUCO DESPERTA EM MIM UMA SENSAÇÃO DE INFERIORIDADE. É A CONSTATAÇÃO DE UM PROBLEMA QUE PODE SER CONTORNADO, COMO A MAIORIA DOS PROBLEMAS.
É VERGONHOSO SER LADRAO, OU PEDÓFILO, E OUTROS CRIMES, QUALQUER CRIME, MAS SER DOENTE NÃO.

Nemercio Perdigão disse...

Amigo Wellington

Sou parkinsoniano e quero me
solidarizar a você. Suas palavras repercutiram em todos nós.
Também queremos ser um bacana!!!

Nemercio Perdigão
Associação Parkinson Carioca - APC

WELLINGTON GUIMARÃES disse...

IRIS,


TODO MUNDO TEM DE BUSCAR DE SI UMA FORÇA INTERIOR, QUANDO É IMPELIDO A ISSO. DEIXO AQUI VOCÊ UMA UM DIÁLOGO DE UM POEMA DE JOÃO CABRAL DE MELO NETO.
A CERTA ALTURA O RETIRANTE SEVERINO, PENSANDO EM SE SUICIDAR, DIZ AO INTERLOCUTOR, SEU JOSÉ, O SEGUINTE: PORQUJE NÃO SE SUICIDAR, PORQUE NÃO SALTAR NUMA NOITE PARA FORA DA PONTE E DA VIDA, PORQUE FICAR VIVO E NA MISÉRIA.
A RESPOSTA DO JOSÉ, QUE É MESTRE É DEVASTADORA:

"SEVERINO RETIRANTE MUITA DIFERENÇA FAZ, ENTRE LUTAR COM AS MÃOS E ABANDONÁ-LAS PARA TRÁS"
E MAIS ADIANTE, DIANTE DO NASCIMENTO DO FILHO ELE DIZ: "É DIFÍCIL DEFENDER SÓ COM PALAVRAS A VIDA"

MUITA GENTE DIZ-SE ADMIRADA PELA MANEIRA QUE ACEITO MINHA DOÊNÇA, A ESSES DIGO: NUNCA ACEITEI, NEM VOU ACEITAR, ELA VEIO DE ENXERIDA, E QUANTO MAIS RÁPIDO ME DESVENCILHAR DELA MELHOR, MAS ENQUANTO EU TIVER VAI SER ASSIM, COM DISPOSIÇÃO. NÃO SOU EXEMPLO DE NADA, NEM CORAJOSO, MAS SE É PARA SOFRER POR ALGO, SOFRO PELO VASCO, QUE SÓ DA DORES DE CABEÇA EM INTERVALOS GRANDES. MAS O PARKINSON ME ENCHE A TODO MOMENTO, ENTÃO NÃO LIGO MAIS, FINJO QUE ELE NÃO EXISTE.

Marcelo Novaes disse...

Wellington,




São dois caras bacanas, sim.
E acabam aglutinando outros.


Isso é bom...







Abração,









Marcelo.