quinta-feira, 22 de outubro de 2009

É BOM QUE SEJA ASSIM








É só um cansaço, mas passa e até faz bem. E é bom que seja assim, porque eu não suportaria.
Por muito sofrer dores dos outros, me chamam insensível.
Pelo muito que amo, cínico. É o preço de ser poeta, é o fado de quem suporta tudo.
Mas não sou santo, minha solidão foi eu que busquei, meu deserto não foi sempre isso, era melhor.
Entenda, não me queixo, sei do preço, da vida, sei tudo, sou quem compreende, quem comeu do fruto e lançou o homem, antes só sujo, na sarjeta, no inferno.
E diante de tua raivosa pergunta, diante do que você formulou sobre mim na sua definição sem erros, tenho uma resposta objetiva, clara, sem contra-argumento, sem apelo à nada.
Não é lamento, é cansaço, nem é derrota, ainda estou no fim do jogo, há tempo. Não é arrependimento, não, não tenho humildade, não é nada que se explique, ou que se critique, ou a vontade de escrever um poema. Não sou poeta, nem escritor, nem veado, só quero colo, descansar, estou cansado.

2 comentários:

Mirse Maria disse...

Quando a sensibilidade aflora, e não sabemos o que se passa com o nosso semelhante, o sentimento confunde, a clareza diminui etc.... Mas para quem tem luz própria, meu comentário é NULO.
SEM PALAVRAS!

Beijos

Mirse

Fofurete...Fofuretezinha! disse...

Sei muito bem o que te cansa e por isso te dou meu colo para descansar! Sei que nele encontras paz, embora às vezes tempestades...tempestades que te levam a valorizar e lembrar os momentos mágicos, calmos e preciosos que tivesse em meus braços...no colo e no abraço que ninguém te deu igual.

Vc foi e sempre será especial...errando ou não, cansado ou não...pois és obra de Deus, mesmo que aches o contrário, Ele tem um projeto na sua vida, basta vc ter força de vontade e executar esse projeto que lhe é confiado. TUDO DEPENDE UNICAMENTE DE VC.

Sei que adoras o meu colo e essa atenção que eu dedido exclusivamente a vc, meu branquelo...então deposita esse cansaço aqui e o resto deixa que eu conduzo.

TE AMO, branquelo lindo!!!

Beijos.