quarta-feira, 22 de abril de 2009

SHAKESPEARE OU FABIO DE MELO? OS DOIS.

TERMINEI A LEITURA DE UM LIVRO DO PADRE FABIO DE MELO. LI QUASE TODO DE UMA VEZ, FALTAVA EM TORNO DE 30 PÁGINAS, E DEPOIS DE QUASE 1 MÊS TERMINEI O LIVRO. 
O TÍTULO DO LIVRO É UM COISA HORRÍVEL, DE FAZER QUALQUER PESSOA DE BOM SENSO NÃO  LER, O  TÍTULO É PIOR DO QUE  QUALQUER COISA QUE SE POSSA IMAGINAR DE MAU GOSTO, O  TÍTULO É: "QUANDO O SOFRIMENTO BATER  À SUA PORTA".
COM UM TÍTULO DESSES, VOCÊ SÓ ACREDITA QUE O LIVRO É BOM, SE TIVER COMO AUTOR UM BALZAC, UM PROUST, UM DOSTOIEVSKI. COMO ELES NÃO PUBLICARAM NADA COM TÍTULO TÃO NEFASTO, EMBORA NENHUM DOS TRÊS CRIASSEM TÍTULOS ORIGINAIS ("EM BUSCA DO TEMPO PERDIDO" "O TIO GORIOT""CRIME E CASTIGO", NÃO SÃO TÍTULOS MUITO CRIATIVOS)NÃO CHEGARAM AO  OPRÓBRIO DE COLOCAR UM TÍTULO DESSES.
DO PONTO DE VISTA LITERÁRIO FOI O MAIS FRACO LIVRO QUE LI.
DO PONTO DE VISTA DE CAUSAR IMPACTO EMOCIONAL FOI MENOS QUE A MAIORIA DOS OUTROS. ENFIM, O LIVRO É FRACO, COMO LITERATURA, E COMO IMPACTO EMOCIONAL. ELE COPIA UMA FRASE INTEIRA DE CHICO BUARQUE, E NÃO DA CRÉDITO AO CARIOCA. MAS TEM UMA COISA QUE SENDO DETALHE É REVELADOR DE COISAS DE QUE NÓS CORREMOS, DE COISAS QUE QUEM TEM BLOG, QUE  SE PRETENDE CULTO OU MESMO QUEM É, E NÃO É MEU CASO, FINGE QUE NÃO SENTE, FINGE QUE NÃO VÊ: O AMOR.
É RIDÍCULO COMO QUEREMOS SER MAIS DO QUE SOMOS, FINGIR UMA COISA, TER UMA POSE, SER SUPERIOR A NÓS MESMOS.
EU NUNCA LI SHAKESPEARE COM O MESMO PRAZER QUE LI O PADRE, POR QUESTÕES ÓBVIAS, CLARO, O ESFORÇO INTELECTUAL EM LER O BARDO É MUITO SUPERIOR AO DE LER O PADRE. MAS O FATO É QUE NUNCA LI 180 PÁGINAS DE UM LIVRO DE SHAKESPEARE DE UMA SÓ VEZ. NÃO FALO DE IMPORTÂNCIA, FALO DE FINGIR IMPORTÂNCIAS. 
ADOREI O LIVRO DO PADRE, ADORO ROBERTO CARLOS, QUADROS COM PAISAGENS, MULHER DE CALCINHA DE PUTEIRO, SILVIO SANTOS, SANSÃO E DALILA, OS FILMES DE STALONE, RAMBO , ROCK , E SÓ PASSEI A ACHAR PINGUIM DE GELADEIRA UMA COISA BREGA, DEPOIS QUE VI ALGUÉM DIZER ISSO.
DIZER QUE HAMLET É UMA OBRA-PRIMA, QUALQUER IDIOTA QUE O LEU SE APRESSA EM DIZER, DIZER QUE "QUANDO O SOFRIMENTO BATER A SUA PORTA", NÃO É UMA OBRA-PRIMA, MAS ME ENSINOU COISAS LINDAS, QUE NEM SHAKESPEARE ME ENSINOU, É MAIS COMPLEXO, EXIGE UMA CERTA CORAGEM. NÃO TENHO MEDO DE PARECER IMBECIL, NEM ANALFABETO. NÃO PLEITEIO NADA DE IMPORTANTE QUE NÃO SEJA EVOLUIR UM POUCO, ME TORNAR MELHOR. SEI QUE ISSO É FRASE DE QUEM LEU UM LIVRO CUJO TÍTULO É "QUANDO O SOFRIMENTO BATER A SUA PORTA", MAIS NÃO TENHO MEDO DE ESCREVER, PORQUE NÃO FAREI POSE, OS GRANDES LITERATAS SÃO INTOCÁVEIS, NUNCA VOU DEIXAR DE CULTUAR SHAKESPEARE, MAS O QUE ME TOCOU, E ME MELHORA , E EU GOSTO, NÃO DIMINUIREI PARA PARECER CULTO, SUPERIOR. PORQUE CULTURA NÃO IMPLICA SER ESNOBE, INTELIGÊNCIA NÃO É CITAR JOYCE, FALAR DEZ IDIOMAS, INTELIGÊNCIA É ABSORVER O QUE CADA COISA, SEJA LIVRO, PESSOA , LUGAR , TEM DE BOM, E FAZER UMA FOTOSSÍNTESE DISSO. CREIA, ISSO É BREGA, É CONVERSA DE QUEM LEU LIVRO DE PADRE, MAS É MINHA VERDADE PESSOAL, E NÃO VOU TROCAR ELA POR NADA, NÃO VOU PROSTITUIR MEU GOSTAR, POR UMA POSE, UM ME MOSTRAR COMO NÃO SOU. 
O LIVRO DO PADRE É O PIOR LIVRO QUE LI SOB O PONTO DE VISTA DA ESCRITA, MAS ME ENSINOU COISAS QUE EU NÃO SABIA, E PARA MIM ESSA É A FUNÇÃO PRINCIPAL DE UM LIVRO: ENSINAR COISAS QUE VOCÊ NÃO SABIA.
DISSE QUE O LIVRO NÃO ME FOI IMPACTANTE DO PONTO DE VISTA EMOCIONAL, MENTIRA, FOI  SIM, E CHEGUEI ÀS LÁGRIMAS, TALVEZ PORQUE SEJA UM BOBO, TALVEZ POR QUE SEJA BREGA, TALVEZ PORQUE NÃO FAÇA POSE, OU TALVEZ PORQUE FAÇA, NÃO IMPORTA, O QUE QUERO DIZER É QUE A DESPEITO DO TÍTULO ABOMINÁVEL DO LIVRO, EU O RECOMENDO, NÃO COMO OBRA FUNDAMENTAL , NÃO COMO COMPARAÇÃO,  NÃO COMO SE RECOMENDA UM LIVRO PELA BELEZA DE SUA ESCRITA, MAS COMO QUEM RECOMENDA UM PASSEIO EM UM HOSPITAL DE CÂNCER INFANTIL, ONDE VOCÊ ENCONTRA VERDADES ESCONDIDAS.
SENÃO FUI CLARO, SEREI AGORA: AMO O PADRE FABIO DE MELO. E NUNCA AMEI JOYCE. 

5 comentários:

Mirse disse...

Bom dia, Wellington!

Gostei da postagem.
E não falo isso para agradar. Às vezes é bom ler aquilo que a mídia e os intelectuais de carteirinha não recomendam.
Quando estava no hospital, me levaram dois livros: um se chamava:"JESUS ESTÁ CHAMANDO" e pensei...prefiro a morte, depois o encontro, mas li. Horrível! E o outro cujo título era: "Sua hora chegou", devolvi educadamente, dizendo que já conhecia.
Acompanho o Fábio de Mello e o Marcelo Rossi, ainda não encontrei nada de produtivo a não ser o marketing.
Mas já que lhe fez bem, ótimo! É isso que interessa.
Como sabe sou voluntária no INCA. E lá é proibido se falar em religião. Mas eles distribuem um livro intitulado: Como se dirigir a uma criança com câncer. Esse é útil e bom.
Enfim, o que marca nossas vidas, é o não tornar público nossos gostos, com medo de opinião alheia.
Ame o padre(com as devidas contensões) se gosta.
Ninguém tem o direito de crítica sobre o que você ou eu fazemos.
Mantenho o Blog Paz e Bem, para divulgar a palavra de Deus, sobre a orientação de Padres. Recebo críticas e tudo que se possa imaginar. Mas porque não?
Com sua inteligência, você saberá separar o joio do trigo.

Beijos

Mirse

Moacy Cirne disse...

Rapaz, que texto interessante! É possível gostar de algo esteticamente inexpressivo? Por que não? Alguns amigos meus se surpreenderam quando, no Balaio, destaquei a importância do filme "O ébrio", ou quando afirmei que estava reavaliando o valor estético da chanchada de Oscarito & outros. Em arte & literatura, só discordamos num ponto, creio: amo Oscarito (e Cantinflas, e Totó), mas também amo Antonioni. Amo a poesia popular (e suas variações "cordelísticas"), mas também amo Joyce.

Um grande abraço.

WELLINGTON GUIMARÃES disse...

MOACY,



BOM, NÃO SOU O QUE SE PODE CHAMAR DE CINÉFILO, SÓ ASSISTI UM FILME DE ANTONIONI, O LADRÃO DE BICICLETA. AMEI.
QUANTO A JOYCE, NUNCA TENTEI LER. ACHO O LIVRO COISA DE INTELECTUAL. SEI QUE DEVE SER ESPETACULAR, MAS TENHO UMA CERTA RESERVA COM ELE. DIZEM QUE ELE ESCREVEU O FININGS WALIKING ( NÃO SEI SE É ASSIM) QUE É CONSIDERADO O LIVRO MAIS DIFÍCIL, ASSIM O DIZEM, DE NOSSA LITERATURA. COISA QUE ACHO EQUIVOCADA, OS MAIS DIFÍCEIS LIVROS ESCRITOS PELO HOMEM, SÃO OS DE PAULO COELHO. ESSE SIM UM HERMÉTICO. PASSAR POR 200 PÁGINAS DO COELHO É MAIS DIFÍCIL QUE AS 1200 DE "OS IRMÃOS KARAMAZOV"

Marcelo Novaes disse...

Wellington,



Pe. Fábio de Mello é um sujeito do Bem, que se expressa muito bem, e bastante inteligente. Já assisti palestras do rapaz na TV Canção Nova, e o achei bem articulado, didático, bem informado. É o tipo do cara que é teólogo e não despreza nem a filosofia, nem a psicologia. Eu também gostei do Pe. Fábio. Gente boa. Acho que com a orientação dele, ele exerce muito bem a função social que escolheu. Ele é professor de Teologia em Taubaté (aqui, no Vale do Paraíba, interior de São Paulo). É bem interiorano, preserva as raízes do campo, também não gosta de esconder emoções. Gente fina.






Parabéns pela postagem!







Abração,










Marcelo.

YaRa disse...

Não importa como as palavras são ditas ou escritas....o que imorta é como nós as lemos...o angulo do observador é sempre distinto e premeado de seus proprios sentimentos...Não importa o q aconteça...para cada momento da vida precisaremos de ensinamentos diferentes....És um sabio...portanto não é qualquer imbecil que é capaz de tocar-te...Mas o mais impressionante é saber que não existe nada de melhor no mundo do que aquilo que nos toca o coração....e neste ponto Você é o líder do meu....Te adorooo